Home · Baú do Jordão · Camargo Freire  · Campos do Jordão

Crônicas e Contos · Culinária  ·  Fotos Atuais · Fotos da Semana

  Fotografias · Hinos · Homenagens · Papéis de Parede · Poesias/Poemas 

PPS - Power Point · Quem Sou  · Símbolos Nacionais · Vídeos · Contato

História resumida de Campos do Jordão

 

CAMPOS DO JORDÃO E O BRIGADEIRO MANUEL RODRIGUES JORDÃO

 

A CIDADE – CAMPOS DO JORDÃO

Na visão de Mário Sampaio Ferraz, autor do livro “Campos do Jordão”, do ano de 1941, 4ª edição, distribuição gratuita, editado pela Diretoria de Publicidade Agrícola da Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio – São Paulo, páginas 26 a 30, consta, com pequenas alterações ora efetuadas, o que segue, com alguns acréscimos válidos:

“Ao fazermos uma pequena parada, um dos companheiros lembrou-se de contar a história de Campos do Jordão, que passamos a resumir:

“As primeiras notícias acerca de Campos do Jordão, datadas do ano de 1700, quando ainda se debatiam os litígios de posse entre São Paulo e Minas Gerais e particulares. Tão agitadas foram as demandas, que o ‘roteiro’ de Antonil (Giovanni Antonio ou João Antônio Andreoni, que adotou o nome André João Antonil (Lucca, Toscana, 8 de fevereiro de 1649 – Salvador, 13 de março de 1716), Jesuíta italiano que veio para o Brasil em 1681 que, em 1711,  publicou em Lisboa a obra Cultura e Opulência do Brasil por suas Drogas e Minas, certamente escrita até 1710,  com todas as licenças indispensáveis. O livro é considerado o melhor que se escreveu sobre as condições sociais e econômicas do Brasil no início do século XVIII,  disse, certa vez, que ninguém transpunha a ‘Amantiqueira’ (que era como chamavam então a Serra da Mantiqueira), sem lhe deixar sepultada ou pendurada a consciência.”  

A palavra “Amantiqueira” significa, também em Tupi-Guarani, “Serra que chora”. É muito simples descobrir o porquê disso. Basta analisar o mapa hidrográfico da região e conferir a grande quantidade de rios que nasce nessa Serra da Mantiqueira. Com certeza, são muitos, e a quantidade de nascentes encontradas na Serra da Mantiqueira, então, é muito maior. Esse é o motivo do nome dessa majestosa serra que divide os estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.

Entre 1703 e 1704, Gaspar Vaz da Cunha, o desbravador, alcunhado “O Oyaguara”, aventurou-se em abrir caminho entre Pindamonhangaba e, serra acima, em direção ao Sapucaí e Capivari, com o objetivo de transportar por ele ouro das minas de Itajubá. Mais tarde esse caminho foi fechado por ordem real.

Por volta de 1711 surge a figura lendária de Ignácio Caetano Vieira de Carvalho. Consta que, no ano de 1773, sob a alegação de que as terras haviam sido abandonadas devido ao rigoroso e intenso frio e ao grande número de onças existentes na região, requereu e obteve a sesmaria das terras (terra inculta ou abandonada), nela fundando e instalando no alto da Mantiqueira, em 20 de setembro de 1790, a Fazenda Bonsucesso.

Essa afirmativa está registrada no importante e brilhante artigo escrito pelo saudoso Dr. Olympio Portugal, publicado na Revista do Brasil – “entrou a primeira gente em Campos do Jordão”. Também o Dr. Romeiro (Francisco Romeiro, 1840 – 25/10/1911 – Pindamonhangaba), em seu interessante trabalho “Campos do Jordão na história e na legenda”, dá uma versão segundo a qual um morador de Taubaté – SP, Ignácio Caetano Vieira de Carvalho, foi o primeiro a ter a glória de descobrir os maravilhosos campos. Segundo outros, “ele requerera, primeiramente, sesmaria de 09 (nove) léguas, denominando as suas terras – Fazenda Bonsucesso”. O clima especialmente maravilhoso das montanhas, a paisagem exuberante, a altitude, a vegetação especial, o solo altamente fértil foram responsáveis e muito contribuíram para que a fama dessa fazenda ultrapasse rapidamente fronteiras.

Mais tarde, recorda o ilustrado médico já citado, surge um tal João Costa Manso, de Taubaté, e obtém sesmaria ao lado de Ignácio Caetano. A partir do momento em que passaram a ser vizinhos, Inácio Caetano passou a ser hostilizado por João Costa Manso, especialmente por problemas relacionados aos limites de suas terras.  “Sob pressão dos mineiros, Manso pendia por aquela jurisdição, enquanto Ignácio Caetano se batia pelo domínio paulista. Conta-se que Ignácio Caetano era do Rio das Mortes e Costa Manso, paulista. O destino, porém, obrigou-os a abrir luta contra as terras de origem.” Essa briga entre vizinhos, responsável pelo início de uma luta entre paulistas e mineiros, somente terminou no ano de 1823 quando morreram Ignácio Caetano Vieira de Carvalho e João Costa Manso. Diz o Dr. J. Romeiro haver Ignácio Caetano vivido 20 anos nos Campos do Jordão, “inteiramente seqüestrado do mundo, em companhia dos seus dois únicos filhos, tendo conseguido avultada fortuna, a qual, depois de sua morte, se dizia enterrada perto de um velho pinheiro, (daí a lenda dos ‘três pinheiros’), gerando inúmeras e infrutíferas escavações à procura da fortuna enterrada”.

A origem do nome da cidade é baseada em sua história. Com a morte do desbravador dessas terras situadas na Serra da Mantiqueira, Ignácio Caetano Vieira de Carvalho, no ano de 1823, seus herdeiros acabaram hipotecando a sesmaria ao brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão, proprietário de mais 57 fazendas em diversas localidades.  Muito tempo depois, o próprio brigadeiro Jordão, que mantinha a posse dessas terras por meio de hipoteca,  veio  a adquiri-las nas proximidades do dia de Natal, através da escritura pública datada de 27 de dezembro de 1825, pela quantia de 10:000$000 (!!) (dez mil contos de reis), talvez.

Em conseqüência desse fato e ligado à data, o povo que aqui morava passou a denominar essas terras de Fazenda Natal.

Com o passar do tempo, considerando que o brigadeiro Jordão foi figura histórica de nossa Independência, o povo, quando ia se referir a essas terras, já não mencionava mais Fazenda Natal, e sim aos Campos, e quando alguém perguntava “Que Campos?”, respondiam: Os Campos do Jordão.  A escritura menciona que essas terras tinham uma légua de testada, no sertão das cabeceiras do  rio Piracuama, Campos de São Miguel, rio Sapucaí e Itajubá – MG.

Portanto, essa é a origem do nome da cidade CAMPOS DO JORDÃO, como foi definitivamente batizada, ficando como uma homenagem ao ilustre cidadão e maior proprietário, o brigadeiro Jordão, que foi membro do Governo Provisório e diretor do Tesouro da Capitania de São Paulo.

É de se registrar que o brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão, embora sendo o maior proprietário das terras que, com o seu nome, formaram os Campos do Jordão, segundo alguns, nunca chegou a conhecer essas suas terras, justificando que o brigadeiro mal dispunha de tempo para empreender uma viagem aos campos que, naqueles tempos, eram o que chamamos, hoje, verdadeira tragédia.

Consta também da história que, pouco tempo depois da aquisição das terras, o brigadeiro Jordão ordenou a implantação de vários melhoramentos, especialmente a construção de uma vivenda fidalga (casa onde se vive com nobreza e de maneira suntuosa). Ao que tudo indica, essa vivenda ficava na região do Capivari, o ponto mais pitoresco da encantadora região. Afirma-se que, até os idos de 1860, ainda existia essa habitação, porém muito estragada, tendo sido habitada somente por campeiros, considerando que o brigadeiro Jordão faleceu antes que pudesse realizar a sua primeira visita à Fazenda.

Reforçada de muita e valiosa credibilidade em relação aos demais registros, segundo o médico Dr. Castor Cobra Neto, tetraneto do brigadeiro Jordão, que mora em Campos do Jordão, seu trisavô esteve em sua fazenda aqui nas montanhas da Mantiqueira somente uma vez. Lembra que “a viagem difícil, demorada e muito cansativa, feita em lombo de cavalo, fez com que o brigadeiro Jordão acabasse desistindo da propriedade, nunca mais voltando devido à precariedade do acesso e as dificuldades para alcançá-la”.

Com a morte do brigadeiro Jordão, herdaram os Campos do Jordão seus filhos Manoel Rodrigues Jordão, Amador Rodrigues Jordão, mais tarde barão de S. João do Rio Claro, Coronel Silvério Rodrigues Jordão e Dr. Rafael Araújo Ribeiro, casado com a única filha do brigadeiro. Conta o saudoso Dr. Romeiro: “ou por terem recebido grandes heranças mais fáceis de serem desfrutadas, ou por não conhecerem o valor real do quinhão que coube a cada um nesta fazenda, o certo é que eles não ligaram importância à propriedade, que ficou por largo tempo esquecida e entregue a administradores incapazes. ‘E, retalhando-a com o correr dos anos, dela se desfizeram sem saber ao certo o que vendiam’...”

Consta da história que, no ano de 1874, Matheus da Costa Pinto, tendo adquirido uma parte das terras que pertenciam ao brigadeiro Jordão, transfere-se de Pindamonhangaba para os “Campos do Jordão”, onde, a 29 de abril de 1874, deu início a diversas construções, fundando, assim, o primeiro povoado, que denominou São Matheus do Imbiri, por estar localizado nas proximidades do ribeirão Imbiri e Pico do Imbiri. Sem dúvida, Matheus da Costa Pinto é o verdadeiro fundador da Cidade de Campos do Jordão.

Em 02 de fevereiro de 1879, teve início a construção da capela Nossa Senhora da Conceição dos Campos do Jordão, onde já havia a capelinha de São Matheus. Em 1891, o Dr. Domingos José Jaguaribe comprou todas as terras de Matheus da Costa Pinto e instalou-se na vila de São Matheus, dando início a diversas construções, fundando o primeiro povoado. Em reconhecimento aos méritos e ao trabalho do Dr. Domingos Jaguaribe na formação e nos cuidados dispensados a essa primeira e importante vila na história de Campos do Jordão, a vila-mater, onde tudo começou, responsável pelo desenvolvimento de vasta área desde o Vale do Imbiri até o Alto da Boa Vista, posteriormente, passou a ser denominada Vila Jaguaribe.

O Dr. Domingos Jaguaribe alardeou para todo o País as qualidades terapêuticas do ar puro e saudável destas terras, acompanhado pelos doutores Emílio Ribas e Victor Godinho, sanitarista de renome e grandes divulgadores do milagre que o clima proporcionava na recuperação da saúde das pessoas acometidas de moléstias pulmonares.

Com o desenvolvimento da Vila Jaguaribe foi criado, em 29 de outubro de 1915, o distrito com o nome de Campos do Jordão, nas terras pertencentes, à época, ao município de São Bento do Sapucaí.

Ninguém, até então, diz o Dr. Romeiro, havia observado seriamente as excelências do clima, especialmente com relação às doenças do peito. Foi depois que alguns médicos de Pindamonhangaba se constituíram donos de parte daquela região e ali fixaram residência, que se pode verificar com segurança a ação poderosa do seu clima, datando de trinta anos a primeira iniciativa benemérita: a construção de uma casa de saúde, levantada pelos doutores Francisco Romeiro (Pindamonhangaba – 1840 – 25/10/1911) e Gustavo Godoy (Pindamonhangaba – 1846 – 1913), ambos filhos de Pindamonhangaba. “Foram esses dois clínicos, videntes de alevantados ideais, que, primeiro, correram o véu daquele abençoado e formoso recanto da terra brasileira.”

No princípio do século passado, entre 1910 e 1914, os ilustres, conceituados e maravilhosos médicos Emílio Ribas, Vitor Godinho, entusiasmados e maravilhados com as experiências conseguidas pelos Drs. Francisco Romeiro e Gustavo Godoy, e com pesquisas realizadas pelo Dr. Clemente Ferreira (29/09/1857 – 06/08/1947) sobre o clima da região da Mantiqueira, fizeram a história de Campos do Jordão, descobrindo a excelência do seu clima para a cura da tuberculose.

A cidade estendeu-se ao longo do vale do ribeirão Capivari e deu origem à formação de outros bairros, urbanizados pelos pioneiros, um deles, Robert John Reid, iniciou em 1915 a construção da Vila Nova, posteriormente chamada Vila Abernéssia, e o embaixador José Carlos de Macedo Soares foi o responsável pela criação da Vila Capivari.

Na década de 1920, Campos do Jordão já se firmava como principal centro de tratamento de doenças pulmonares, sendo procurado por enfermos de todos os rincões brasileiros.

É preciso deixar bem claro, de uma vez por todas, que o nome correto da cidade é CAMPOS DO JORDÃO, e nunca, jamais – pelo amor de Deus! – CAMPOS DE JORDÃO.

Infelizmente, é muito comum ouvirmos pessoas referindo-se à cidade como CAMPOS DE JORDÃO, tanto pelo rádio como pela televisão, até escrevendo em periódicos (jornais, revistas, etc.,) e, agora, na Internet.

A justificativa é simples e clara: podem existir campos de algodão, de trigo, de arroz, de milho, de feijão etc., porém nunca campos de jordão. Somente poderíamos dizer campos do algodão, do trigo, do arroz, do milho ou do feijão, se esses campos  pertencessem a alguém que tivesse  nomes ou sobrenomes semelhantes. Mesmo que nossos campos fossem banhados pelas águas de um rio chamado Jordão, deveriam ser chamados de campos do Jordão, em homenagem ao rio,  nunca campos de Jordão.

O BRIGADEIRO MANUEL RODRIGUES JORDÃO

As informações necessárias para uma boa biografia do brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão é bastante controvertida.

Nunca foi possível determinar com certeza e segurança o dia do seu nascimento. Em um velho livro de batismo da paróquia da Sé de São Paulo (livro 5, às fls. 51- v) encontrou-se o assento e registro:

“Manuel - Aos cinco dias de abril de 1781, nesta Sé batizou e pôs os Santos Óleos, com despacho de Sua Excelência Reverendíssima a licença do Reverendo Doutor Cura, Firmino Dias Xavier, o Reverendo Frei Felisberto Antonio da Conceição, Monge Beneditino do Mosteiro desta cidade, a Manuel, filho do Alferes Manoel Rodrigues Jordão e de sua mulher D. Anna Eufrosina da Cunha. Foram padrinhos o Capitão Manoel Antonio de Araújo e D. Maria Tereza Mendes, solteira, filha do capitão Francisco Pereira Mendes, todos desta freguesia, do que fiz este assento que assinei. O Coadjutor, Bartolomeu de Carvalho Pinto.”

É de se considerar plenamente válido esse registro. Acredito ser impossível questioná-lo. Naquela época, no ano de 1781, seria impossível constar em registro de batismo conforme acima descrito, o registro de outro nascimento com dados homônimos, tanto de nome quanto de filiação.

Considerando como válido esse registro, o brigadeiro Jordão nasceu em São Paulo , no dia 05 de abril de 1781. Conforme pesquisa, foi o último filho do tenente Manoel Rodrigues Jordão e dona Anna Euphrosina da Cunha.

Importante esclarecer: O brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão e seu pai Manoel Rodrigues Jordão tinham o mesmo nome, porém o brigadeiro era MANUEL e seu pai MANOEL.

Considerando que a data do falecimento do brigadeiro Jordão, 27/02/1827, está correta, de acordo com os registros pesquisados, e não havendo discórdia sobre essa data,  quando faleceu tinha apenas 46 anos de idade.

Há registros informando que teria nascido em 1780 e falecido com 47 anos de idade. Outros registros informam que faleceu com 49 anos.

Considerando correta a data do nascimento, 05 de abril do ano de 1781, conforme consta do registro já mencionado, e a data do falecimento 27 de fevereiro de 1827, falecera com 46 anos de idade, sendo esta informação também confirmada pelo Dr. Castor Cobra Neto, tetraneto do brigadeiro Jordão. Portanto, as informações de que teria falecido com 47 ou 49 anos idade não procedem.

“Ativo, trabalhador, pertinaz, dotado de inteligência viva, tino administrativo e invejável energia física e moral, não tardou em destacar-se e suplantar a todos os parentes e membros de sua família, formando enorme fortuna representada pelas fazendas e propriedades agrícolas espalhadas por todo o território paulista. Aos dezesseis anos surge na arena política, prestando serviços públicos no Regimento de Infantaria Miliciana de São Paulo.”

Na Cronologia, I, 260 de Jacinto Ribeiro, acha-se transcrita a fé de ofício constante no Livro Mestre do Regimento:

“Manuel Rodrigues Jordão, filho do Alferes Manoel Rodrigues Jordão, natural de São Paulo, com 15 anos de idade, assentou praça de Tenente a 28 de abril de 1796. Nomeado Capitão da 1ª Companhia a 18 de janeiro de 1808, agregado ao Regimento por Apostilha do General Horta, passando a efetivo em posto a 8 de novembro de 1810 e Coronel Agregado por decreto de 20 de Agosto de 1812 e efetivo por decreto de 29 de junho de 1913, foi por ordem do Coronel recrutar as praças da Companhia de Caçadores e acompanhou o mesmo Coronel a várias vilas, quando foi nomeado Emissário da Contribuição Voluntária que S. A. Real pediu aos povos desta Capitania.

“Exerceu o cargo de Tesoureiro da Junta da Fazenda, Membro do Governo Provisório eleito pelo povo e pela tropa em 1821, Conselheiro do Governo, eleitor paroquial, fez parte da Venerável Ordem Terceira de São Francisco. Possuía o Brigadeiro enorme casarão de estilo colonial, situado na rua da Boa Vista, bem em frente à atual rua 3 de Dezembro.

“Com a idade de 39 anos casou-se com D. Gertrudes Galvão de Oliveira e Lacerda, filha do Brigadeiro José Pedro Galvão de Moura e Lacerda e de D. Gertrudes de Oliveira Montes.

“No Ipiranga possuía uma grande chácara onde explorava importantes olarias, conservando-se ao lado extensas pastagens para sustento e repouso da tropa destinada ao transporte dos produtos da olaria e da lavoura.

“Quem olha para o monumento do Ipiranga, verá à direita o córrego do Ipiranga, à esquerda o Tamanduateí, que se unem pouco abaixo; toda a várzea da estação do Ipiranga até o monumento fazia parte integrante da chácara.

“Na revista do Instituto Histórico de São Paulo, vol. 5, pág. 15, o Dr. Antônio de Toledo Piza conta que o Brigadeiro residia em 1822 na rua Direita n. 21, tinha 42 anos de idade e era casado com uma filha do Coronel José Pedro Galvão, tinha um casal de filhos em tenra idade e um ilegítimo de 17 anos, estudante na ocasião; sustentava em sua casa uma cunhada solteira e um sobrinho moço, também estudante, e possuía 18 escravos domésticos e a jornal. Foi membro do governo provisório em 1822. Era amigo particular de Martim Francisco e solitário com suas ideias políticas; partilhava por isso algum tanto do ódio que os absolutistas votavam aos irmãos Andradas, e foi uma das vítimas de ‘A Bernarda’”. 

Clique aqui para saber sobre “a bernarda”:

Faleceu o brigadeiro Jordão em 27 de fevereiro de 1827. Sua esposa, D. Gertrudes, sobreviveu 21 anos e, em 01 de fevereiro de 1848, 15 dias depois do pai, faleceu, deixando os seguintes filhos:

1 - D. Anna Eufrosina, casada com o Dr. Raphael de Araújo Ribeiro;

2 - Manoel Rodrigues Jordão, casado;

3 - Amador Rodrigues Jordão, depois barão de São João do Rio Claro, casado;

4 - Silvério Rodrigues Jordão, casado.

Teve mais um filho natural, que foi o Dr. Antonio de Almeida Jordão, falecido em estado de solteiro (apontamentos de Azevedo Marques – Província de São Paulo).

“Nota – Os dados referentes ao brigadeiro Jordão foram extraídos do importante e útil livro “A família Jordão”, título 7, páginas 509-521, do historiador patrício Dr. Frederico de Barros Brotero.”

“Manuel Rodrigues Jordão muito se distinguiu nos tempos da Regência e primeiros dias do Império.”

O brigadeiro Jordão foi uma figura histórica da nossa Independência. Com Antonio da Silva Prado, o barão de Iguape, hospedou na cidade de São Paulo, no dia 7 de setembro de 1822, o Príncipe Regente D. Pedro I, no velho prédio de sua propriedade, do canto das ruas Direita e S. Bento, posteriormente Hotel de França, hoje Palacete Jordão.

O BRIGADEIRO JORDÃO E O QUADRO DE PEDRO AMÉRICO “INDEPENDÊNCIA OU MORTE”

Há quem diga que, entre aquelas pessoas que aparecem ao lado de D. Pedro I, no famoso quadro de Pedro Américo (pintor, romancista e poeta – Areia/Paraíba, 29/04/1843 – Florença, 07/10/1905), “Independência ou Morte”, mais conhecido como “O grito de Ipiranga”, datado do ano de 1888, sobre o momento da nossa independência, está o brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão.

Segundo o que tudo indica, porém, naquele exato momento, o brigadeiro Jordão não estava ali. Como os documentos históricos registram, D. Pedro I proclamou a Independência na volta de uma viagem a Santos, na qual se fizera acompanhar de vários integrantes da Guarda de Honra, corporação honorária cujos membros podiam seguir voluntariamente o imperador em viagens e solenidades. Estranhamente, porém, o nome do brigadeiro Jordão, paulistano dos mais ricos de sua época, grande amigo de D. Pedro I, e também pertencente à Guarda Honra, não aparece na lista dos participantes da viagem.

Pedro Américo, ao pintar o quadro, sessenta e seis anos após o grito do Ipiranga, deve ter pensado: "Se não estava presente, bem que poderia estar", daí ter incluído a figura do brigadeiro Jordão no quadro. Razões para pensar assim não lhe faltavam. Afinal, D. Pedro I, quando em São Paulo , alternou sua hospedagem nas casas do brigadeiro Jordão e de Antonio da Silva Prado, o barão de Iguape (à época, ambos moravam nos dois sobradões, um frente a outro, existentes na esquina da Rua Direita com a São Bento). Acresça-se a tudo isso o fato de que foi nas terras de uma propriedade do brigadeiro – a Chácara das Paineiras, no Ipiranga — que D. Pedro I proclamou a Independência.

Tamanha era a riqueza de Manoel Rodrigues Jordão que ele, com o seu dinheiro, supria os cofres públicos, em casos de necessidade. As cidades paulistas de Campos de Jordão e Tatuí floresceram em antigas propriedades suas.

OBS: Histórico  pesquisado, organizado e escrito por Edmundo Ferreira da Rocha.

Sites Consultados:

http://www.almanack.paulistano.nom.br/psouza.html

http://www.culturabrasil.pro.br/independencia2005.htm 

http://www.almanack.paulistano.nom.br/psouza.html 

http://www.poli.usp.br/Organizacao/Historia/Diretores/Jordao.asp

Escolha uma das Categorias Abaixo:


Bandeira


Brasão


Câmara Municipal


Campos do Jordão e o Brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão


Hino


História


Lendas


Nome Correto e Origem


Prefeitos


Principais Vilas

 

 

 

 

- Campos do Jordão Cultura -