Home · Baú do Jordão · Camargo Freire  · Campos do Jordão

Crônicas e Contos · Culinária  ·  Fotos Atuais · Fotos da Semana

  Fotografias · Hinos · Homenagens · Papéis de Parede · Poesias/Poemas 

PPS - Power Point · Quem Sou  · Símbolos Nacionais · Vídeos · Contato

Crônicas que contam histórias de Campos do Jordão

 

Camargo Freire e a bebida misteriosa


Camargo Freire e a bebida misteriosa

Mestre Camargo Freire em foto da década de 1950.

 

Clique para Ampliar!

 

Clique para Ampliar!

 

Clique para Ampliar!

 

Clique para Ampliar!

 

 

Esta história, verídica, foi lembrada pelo grande amigo Benedito Pedro Honório da Silva, o conhecido Dito da Farmácia, irmão dos grandes amigos e profissionais do ramo farmacêutico, José João, Joaquim João, Francisco e Sergio, dentre outros, todos conhecidos devido às atividades na tradicional e famosa Farmácia e Drogaria Santo Antonio e na Drogaria Central. O Dito, relembrando o nome do saudoso amigo, professor Camargo Freire, conhecido secretamente entre seus alunos do saudoso Colégio e Escola Normal Estadual – CEENE, de Campos do Jordão, como Camargão, mestre inesquecível e maior pintor da paisagem de Campos do Jordão.

Somente relembrando um pouco de EXPEDITO CAMARGO FREIRE ou Camargo Freire, como ficou mais conhecido: era filho de Manoel Freire e Francelina Freire. Nasceu na cidade de Campinas – SP, em 08 de junho de1908, e faleceu em Campos do Jordão – SP, em 13 de maio de 1991, com 83 anos de idade.

Morou na Cidade do Rio de Janeiro na década de 1930. Estudou pintura, inscrevendo-se sob o nº 50 em 05 de março de 1937, na Sociedade Propagadora das Belas Artes, Liceu de Artes e Ofícios, fundado em 23 de novembro de 1856, pelo arquiteto Bethencourt da Silva, hoje Escola Nacional de Belas Artes.

No início da década de 1940, contraiu a doença grave causada pelo “Mycobacterium tuberculosis” que, usualmente, atinge os pulmões, causando a tuberculose pulmonar, o mal do século 20.

O mestre Camargo Freire chegou em Campos do Jordão no ano de 1941, vindo do Rio de Janeiro, onde estudou no Liceu de Artes e Ofícios, no qual participou, em companhia de Pancetti, Bustamante Sá, Sigaud, Magali e outros, do "Núcleo Bernardelli".

Sua vinda para Campos do Jordão tinha um único objetivo: a tentativa da cura da tuberculose, o mal da época.

Contando com o apoio de amigos relacionados às igrejas Presbiteriana e Metodista do Brasil, conseguiu uma vaga no tradicional e importante Sanatório Ebenezer de Campos do Jordão e lá ficou internado à espera de melhores dias. Esse nosocômio era especializado no tratamento da tuberculose e era sediado em prédio próprio, localizado no bairro Umuarama, onde, posteriormente, foi a sede da colônia de férias “Acampamento dos Pumas”. Nessa época ainda não existiam os medicamentos específicos para a cura da terrível doença que somente começaram a aparecer quase no final da década de 1940. O tratamento dependia apenas do clima privilegiado de Campos do Jordão, do ar puro, extremamente oxigenado, impregnado de partículas de suas essências naturais, como a araucária (Araucaria angustifolia), o pinho bravo e outras espécies de igual importância; da boa alimentação, do repouso regrado e rigoroso e de outros cuidados importantes recomendados pelos médicos da época. Tudo isso foi altamente benéfico ao tratamento a que Camargo Freire foi submetido. Em pouco tempo teve a sorte de ficar curado.

Curado e já conhecendo as belezas das montanhas da Mantiqueira, acabou se apaixonando pela região, de onde não mais saiu. Foi o professor titular da Cadeira de Desenho do nosso Colégio e Escola Normal Estadual – CEENE, de Campos do Jordão, desde o início do ano de 1948 até pouco antes do seu falecimento, no dia 13 de maio de 1991. Durante os anos em que aqui viveu e trabalhou, promoveu importantes eventos de artes plásticas. As artes plásticas de Campos do Jordão tiveram seu período áureo, entre as décadas de 80 e 90, com a realização permanente de mostras de artes plásticas. Seu nome engrandeceu a história e a cultura de Campos do Jordão e jamais será esquecido, devendo, sempre, ser lembrado pelas gerações futuras. Suas pinturas ficaram famosas em todo o Brasil e em muitos países, figuram nos principais museus do mundo, inclusive no Louvre, em Paris.

A partir do final da década de 50, contando com a maravilhosa iniciativa, cuidados especiais, rigorosos para a época, o professor Expedito Camargo Freire, mestre da Cadeira de Desenho, idealizou, decorou e preparou uma sala de aula do Colégio e Escola Normal Estadual – CEENE, de Campos do Jordão, para poder ministrar, com muito carinho, atenção, dedicação e competência, as aulas de sua cátedra. Em uma sala normal, foram substituídas as carteiras escolares, comuns e tradicionais, por pequenas pranchetas, especialmente projetadas pelo mestre Camargão, como era gentilmente chamado pelos alunos, adaptadas para comporem uma sala de aula, sem que houvesse a redução da quantidade de alunos estabelecida por classe de aula. Essas pequenas pranchetas eram muito práticas, possibilitando a adaptação da posição de sua mesa, colocando-a em qualquer posição mais favorável a cada aluno.

Costumamos dizer que, nesta vida, ninguém é eterno e insubstituível. Pessoas raras são real e inquestionavelmente insubstituíveis. O nosso querido mestre Expedito Camargo Freire, o Camargão, foi uma dessas pessoas insubstituíveis. Suas qualidades pessoais, seu jeito de ser, sua eterna jovialidade, sua capacidade profissional, sua habilidade com o desenho e a pintura, dificilmente, poderão ser igualadas e substituídas. ELE ERA ÚNICO.

Tive a honra, o privilégio e grande orgulho de ter sido aluno do professor Camargo Freire, em nosso saudoso Colégio e Escola Normal Estadual – CEENE, de Campos do Jordão, do final da década de 1950 até o início da década de 1960, e, também, seu amigo durante os demais dias até sua partida deste mundo terreno.

Bem, vamos à história da bebida misteriosa.

Contou o Dito da Farmácia que, na década de 1970, quando estudou no Colégio Estadual, ele e seus colegas de classe ficavam intrigados no início das aulas do período da manhã. O professor Camargo Freire entrava na sua Sala de Desenho, por ele especialmente idealizada, projetada, montada e decorada, e ia direto para o armário de madeira onde guardava seus pertences pessoais e materiais que seriam utilizados em suas memoráveis aulas de desenho. Abria a porta, pegava uma pequena garrafa, uma colher de sopa e nesta colocava um pouco do líquido que estava na referida garrafa e bebia. Devolvia a garrafa ao armário, fechava a porta e começava a sua aula. Os alunos ficavam olhando esse ritual e ficavam muito curiosos. O que seria aquele líquido que o professor bebia no início das aulas do período da manhã? Seria algum remédio especial? Até que, um dia, um dos alunos teve a coragem e perguntou: “Professor, que líquido é esse que o senhor toma na “colher de sopa” no início das aulas da manhã?” E imediatamente o mestre respondeu: “Vocês têm curiosidade de saber? Pois bem, na próxima aula eu revelarei o segredo. Combinado?” No dia seguinte, logo no início da aula, o mestre Camargão, com seu guarda-pó branco inconfundível e inesquecível, fez tudo como sempre. Entrou, abriu o seu armário e pegou uma garrafa bem maior que a de costume. Pegou um vasilhame que estava cheio de colheres plásticas descartáveis e disse: “Bem, agora vocês terão a oportunidade de experimentar e conhecer o líquido precioso que tomo diariamente no período da manhã”. Passou a ir de carteira em carteira onde enchia uma colher de sopa e dava na boca de cada aluno para tomar. Depois que toda classe experimentou o líquido, ele perguntou: “Gostaram?” Muitos reclamaram da acidez do líquido, outros gostaram. Aí ele disse: “O que vocês acabaram de tomar nada mais é que vinagre de maçã”. E explicou: “O vinagre de maçã é ótimo para a saúde. Elimina acne, manchas e fungos na pele, rejuvenesce, mantém o colesterol em limites aceitáveis, ajuda a perder peso, controla o açúcar no sangue e mantém aceitáveis os níveis de glicemia, clareia os dentes, deixa o cabelo lindo, desentope o nariz e tira o mau hálito... O que acham? Vale a pena ou não tomar essa colher de vinagre de manhã?”

Muitos alunos seguiram o conselho do mestre, outros não deram muita atenção. Na realidade, o mestre estava certo. Atualmente muitos médicos orientam nesse sentido e muitas orientações circulam, especialmente pelas redes sociais, apregoando os benefícios do vinagre de maçã.

Edmundo Ferreira da Rocha,

16/03/2018

 

Acesse esta crônica diretamente pelo endereço:

www.camposdojordaocultura.com.br/ver-cronicas.asp?Id_cronicas=224

 

Voltar

 

 

- Campos do Jordão Cultura -