Home · Baú do Jordão · Camargo Freire  · Campos do Jordão

Crônicas e Contos · Culinária  ·  Fotos Atuais · Fotos da Semana

  Fotografias · Hinos · Homenagens · Papéis de Parede · Poesias/Poemas 

PPS - Power Point · Quem Sou  · Símbolos Nacionais · Vídeos · Contato

 

Fotografias Semanais que contam a
 história de Campos do Jordão.

de 11/ 08 a 17/08/2017

 

 

Históricas - Fazenda do Retiro


Na foto uma bela visão da tradicional e famosa “Fazenda do Retiro”, localizada na região próxima à histórica Fazenda da Guarda, hoje Horto Florestal ou Parque Estadual de Campos do Jordão.

OBS: Esta foto foi gentilmente disponibilizada pela saudosa e querida amiga Malú Donato e sua filha Luciana Donato, respectivamente esposa e filha do saudoso Orestes Mário Donato, autor da fotografia.

Conheça um pouco da história da Fazenda do Retiro

As posses de Costa Manso ficavam ao lado direito do mesmo ribeirão, o qual, ao unir-se com o córrego das Perdizes, toma o nome de Rio Sapucaí-Guaçu, provavelmente, no lugar denominado Sítio Velho, posteriormente conhecido como o Retiro da Guarda.

Em 1854, Amador Rodrigues Jordão vendia o seu quinhão aos irmãos Comendador Antonio de Godoy Moreira e Alferes José de Godoy Moreira; Silvério Rodrigues Jordão, em 1855, vendia o seu quinhão aos Capitães Urbano Marcondes Machado e Domingos Marcondes Homem de Mello; em 1817, Manuel Rodrigues Jordão alienava a sua parte ao Banco do Brasil, e os herdeiros de Ana Eufrosina Jordão Ribeiro fracionaram o seu quinhão, através de diversas alienações. Os adquirentes das terras de Silvério Rodrigues Jordão retalharam a área em vários lotes e os irmãos Godoy Moreira constituíram as Fazendas da Guarda e do Retiro, onde construíram a sede e uma senzala.

O Brigadeiro faleceu antes de conhecer a Fazenda.

Feito o inventário do Brigadeiro, por sentença lavrada pelo juiz de órfãos da Comarca de São Paulo, em 22 de setembro de 1830, a Fazenda Natal abrangia todo o Município de Campos do Jordão e uma parte de Minas, sendo avaliada em 20 contos, tocando 5 contos a cada um dos herdeiros: Ana Eufrosina, Amador, Manoel e Silvério, filhos do Brigadeiro.

Por escritura de 29 de maio de 1855, Manoel Rodrigues de Lacerda Jordão e sua mulher, venderam o seu quinhão ao avô de Balthazar, Antonio de Godoy Moreira e Costa, e seu irmão, José de Godoy Moreira e Costa.

Os dois irmãos, co-proprietários, tomando posse das terras, convencionaram, amigavelmente, que a gleba de Antonio iria do atual ribeirão do Ferradura, onde havia o Potreiro das Éguas, até as vertentes do Galharada, pela margem direita do Sapucaí, e pela margem esquerda do mesmo rio, dos Correntinos à bacia do ribeirão do Paiol.

A José caberia o resto, que era maior parte, a bacia de todos os afluentes da margem direita do Sapucaí, a partir do Casquilho, incluindo o Charco, onde havia a casa. Não só o avô, mas também o pai de Balthazar, com um punhado de escravos, passaram a criar gado nas pastagens daquelas lombas. Não havia cercas: só a marca registrava a propriedade, o ferro candente e o corte nas orelhas.

O gado era tratado na Guarda, onde havia um retiro. Não havia lavoura, só criação de gado.

A Vila Capivari era chamada, naquele tempo, de “O Jordão” e os Campos eram a região toda, dobrando a serra.

A Guarda, para Antonio de Godoy Moreira e Costa ficava nos Campos, e não nos Campos do Jordão, e em Pinda, ninguém dizia: “Vou para os Campos do Jordão”, mas “Vou para os Campos”.

As trilhas foram se delineando, segundo as pegadas do gado para as querências, afora a estrada de Pinda, que, na realidade, era um carreiro para se trilhar a cavalo.

A estrada de Pinda descia até a Fazenda em reta. Outra trilha ia Sapucaí acima até a Casa Velha, e daí pelos vizos das lombas ao Potreiro das Éguas e ao Jordão, com uma derivação aos Correntinos e para a Água Santa e os campos do Serrano.

A outra, vadeando o Sapucaí, subia ao Capão dos Papagaios, ondulava pelos altos e ia até o Paiol.

Outra ainda, continuação da estrada de Pinda, subia a Galharada, cortava-o e galgando a lomba do Faxinal, atingia o Casquilho, e depois do Espraiado, do Serrote e da Serra Chorona, chegava-se, finalmente, ao Charco.

Eram os caminhos principais.

Antonio de Godoy Moreira e Costa e Antonio Amador Bueno de Godoy, avô e pai de Balthazar, não mantinham residência fixa na Guarda; passavam temporadas de dois meses, no máximo, afora as visitas curtas de vistorias, ficando o Retiro entregue a um capataz.

Os pretos que vieram a Campos, vinham da Fazenda Graminha, de Pinda. “No tempo do meu avó, até o meio do século, havia missas todos os meses e o oficiante era o Padre João de Godoy, meu tio-avô. Depois de 1920, houve horta na Guarda.

Diziam que o clima não permitia a horticultura. Bobagem. Os campeiros só se alimentavam de leite e carne.”

Em novembro de 1889, o Cel. Antonio Amador Bueno de Godoy estava na Guarda. Depois do dia 20, desceu, e só então, na serra, cruzando com um seu amigo, ficou sabendo que o Brasil já não era mais Império.

Ficou revoltado, e disse:

- “Cachorros! Não esperava isso do Deodoro. Caduquice, não pode ser de outro modo. Vão acabar com o Brasil!”

Nunca perdoou os republicanos.

Uma das primeiras pessoas que esteve na Guarda, excluindo as do círculo familiar, foi o Padre Pedro Nolasco César, vigário de São Bento, que muitas vezes, visitou a Fazenda. Também lá esteve o vigário de Pinda, o Padre Tobias, os Bueno de Pinda, da mesma família desse sacerdote (o coronel Benjamin, o Dr. Dino Bueno) sempre apareciam nos Campos.

Na Guarda não havia capela; só havia um oratório da família, tosco, que está no Rancho Sto. Antonio, de Oscar Ribeiro de Godoy.

Capela só houve depois de 1935, ou por aí, no tempo dos Kok.

Tornou-se costume gravar, à ponta de faca, o nome do visitante nas folhas das portas de entrada ou das janelas.

Tornou-se tradição. Quase todos da família inscreveram os seus nomes, Francisco de Godoy Moreira e Costa, formado pela Escola Politécnica de São Paulo, em 1899, Antonio de Godoy Moreira e Costa, bacharel em direito,em 1894.

Antonio de Godoy, poeta e delegado de polícia. Plínio de Godoy Moreira e Costa, mais tarde deputado estadual, federal e senador.

As inscrições eram manuscritas ou em letras de forma, individuais, ou em casais ou grupos: Sinhô, filho do Dr. Gustavo de Godoy, Juca, Sinhozinho e Armantina, filhos e nora de Nhá Minica, Dino Bueno, lente e diretor da Faculdade de Direito de São Paulo, Presidente interino do Estado, Cel. Virgilio Rodrigues Alves, Francisco de Paula Rodrigues Alves, “o maior dos presidentes do Brasil”.

“Conheci-o velhinho, conta Balthazar, com o seu redingote de gola de cetim e o pincenez, feio como uma múmia, mas ainda ereto e cheio de dignidade”.

Martiniano de Godoy e Marieta, Alberto Godoy que se inscreveu na Marinha, e tomou parte na Revolta de João Cândido, em 1910. “Foi excluído, mas não sofreu muito, graças a tio Elias, que era amigo do Marechal Hermes”.

João Thomaz Monteiro, tio e dentista prático.

Feliciano era capataz, a muito tempo, do Retiro, e seus filhos eram Rogério e Pérsio.

Feliciano era casado com Minervina, uma mulata alta, e tinha muitos filhos. O Dr. Miguel de Godoy e seu genro, o embaixador Pedro de Moraes Barros.


No canto de cima da porta, lia-se Luiz Pereira Barreto, médico insigne de São Paulo, por volta de 1908 ou 1909. Morava na rua Apa, perto da praça, onde está a sua estátua, em modesta casa de porta e duas janelas.

O Ministro Miguel de Godoy Moreira e Costa Sobrinho foi casado com Dona Isabel de Godoy; tiveram grande fastígio social e político em Vila Godoy, nos anos 20, em São Paulo, de onde saíram até Presidentes. Eram seus filhos, Beatriz de Godoy Moreira e Costa Ladeira, casada com Manoel Rodrigues Ladeira, Judith de Godoy, Embaixatriz lsabel de Moraes Barros, Paulo de Godoy Moreira e Costa, casado com Maria Ramos de Godoy, Marcelo de Godoy Moreira e Costa, Maria Bela de Godoy Kok, casada com André Jensen Kok e Maria Antonia de Godoy Martins Cruz.75

Os antigos acessos às Fazendas eram difíceis, pois de Pindamonhangaba, viajava-se, a pé, até o sopé da Serra, descansando-se na Fazenda Graminha, e só no dia seguinte, prosseguia-se no percurso, vindo-se pelo Ribeirão Grande, através da Mata Comprida, e descia-se pelas vertentes do rio Galharada até atingir as fazendas do Retiro e da Guarda.

A ligação com Campos do Jordão se fazia por uma trilha, através das lombadas, até atingir os Correntinos, onde já existia uma estrada.

Em 1923, depois da morte do Comendador Antonio de Godoy Moreira e Costa, sua viúva, desgostosa com o desfecho da ação de divisão judicial da Fazenda Natal, vendeu a Guarda para H. Kok, que ali montou uma serraria.

Por volta de 1934, era assustadora a devastação de pinheirais, em Campos do Jordão o que provocou grave revolta contra o funcionamento de criminosas serrarias, que atuavam, impunemente.

Depois de diversas denúncias formuladas à Secretaria da Agricultura, medidas oficiais foram adotadas pelo Secretário Adalberto Bueno Netto, o Chefe do Serviço Florestal, José Camargo Cabral, e pelo Diretor Geral da Secretaria, Eugênio Lefèvre.

A Chácara Abernéssia, que alguns chamavam de Fazenda, constituía uma das grandes propriedades, que formavam a Fazenda Natal, como a Fazenda do Banco do Estado, no atual bairro de Santa Cruz, a Fazenda do Salto, onde se iniciou o primeiro manancial e represa do mesmo nome, >B>a Fazenda Correntinos, atualmente Descansópolis, a Fazenda da Guarda, onde se acha o Parque Estadual de Campos do Jordão, a Fazenda do Retiro, a Fazenda do Baú, a Fazenda da Campista e a Fazenda Capivari, entre outras.

Vila Operária: Arlindo Félix da Silva e Augusto Barsalini. Eram fazendeiros no Município: H. Gesson Kok, da Fazenda da Guarda (madeira, gado vacum, cavalar, suíno); Plínio de Godoy, da Fazenda do Retiro (madeira, gado vacum); Bráulio Carneiro Santiago, das Fazendas do Baú, e dos Serranos (serraria); Eduardo Lagoa Ribeiro da Fazenda da Campista (serraria); Sebastião Antunes da Silva, da Fazenda Tabatinga (caolim, gado vacum); Cândido Rodrigues Salgado, da Fazenda do Baú (gado vacum e suíno); Manoel Pinto da Silva, da Fazenda do Piar (gado vacum, cavalar e suíno); Ignacio de Carvalho, da Fazenda do Baú (gado vacum); Carlos Leôncio Magalhães, da Fazenda da Lagoinha (madeiras); José Carlos de Macedo Soares, da Fazenda do Baú (madeiras); Isabella Wilson, da Fazenda Sta. Isabel (gado).

O Dr. Gustavo de Godoy por volta de 1896 freqüentou a Fazenda da Guarda, ficando hospedado no Retiro, onde receitava para o pessoal e fazia pequenas intervenções.

Contou a profª. Helena Terezinha Moyses da Silva que, a estrada que demanda a Fazenda da Guarda, partindo de Vila Capivari, foi aberta à braço, sob a supervisão de Belisário Alves Pereira, e a Guarda até a Fazenda do Retiro, por Rogério Godoy.

A estrada que liga a Lagoinha até o Parque Ferradura também foi aberta por Belisário Alves Pereira.

Atribui-se a Theodoro Mariano a abertura da estrada que interliga a Fazenda da Guarda à do Charco, em Minas Gerais, no fim da década dos anos 30.

Durante 30 anos, Belisário Alves Pereira trabalhou na Fazenda Lagoinha, implantada em 1920, por Carlos Leôncio de Magalhães.

A estrada que demanda a Fazenda da Guarda foi iniciada em 1919, a pedido do Senador Estadual, João Martins de Mello Jr., mais tarde estendida à Fazenda do Retiro, a pedido do Ministro Godoy.

Essa estrada alcança a Fazenda do Charco, já em território mineiro, podendo ligar-se à rodovia Lorena – Itajubá - Poços de Caldas, à altura de Bicas do Meio.

À vista da ligação turística de Campos do Jordão com o Circuito das Águas, parece que esse roteiro é mais recomendável que o trajeto Tabatinga-Pedra Mármore.

Mas qual, nada. Escurecia e amanhecia e eu nunca encontrei com ele, nunca resvalei com ele. Eu bebia pinga, muitas vezes, para voltar pra casa. Se eu encontrasse com ele, eu conversava... O dinheiro dele está enterrado debaixo de um pé de eucalipto, que existe no caminho do Homem Morto, justamente na curva que deriva para a estrada que vai pras fazendas Lagoinha, Guarda e Retiro. O povo diz que o dinheiro está enterrado debaixo de um pinheiro que nasceu junto com um pé de guamerim e que está na mata que fica entre os Guillain e o Souza Noschese. E que a morada do Jordão é aí.

Muita gente diz que já viu o Jordão sair dali, mas qual! O povo diz que o Jordão anda numa mula preta, mas eu nunca vi nem o rastro da mula. O Jordão morreu, mas não foi pro tacho, não. Não pôde ir pro céu porque Deus não quer ele lá, porque ele tem dinheiro enterrado. Mas não está por conta do demônio. Não. E o dinheiro é dinheiro que não derrete, não é cobre, nem chumbo, é ouro. Não apodrece também, é moeda”.

Sátiro de Godoy, domador, nascido na Fazenda Retiro. Na época da pesquisa era guarda da Fazenda Correntinos, com 68 anos: “Ouvi o Jordão falar este verso:

Na lomba do meio

Entremeio de três pinheiro,

Um caldeirão de dinheiro.

O Dr. Emílio Ribas freqüentava muito a Fazenda do Retiro. Quem assassinou o seu filho, Paulo Ribas, foi Moacir Barbosa, cuja esposa era cliente do médico.

O crime foi de fundo passional.

O caminho de Vila Capivari à Fazenda do Retiro, naquela época, era o seguinte: entrava-se pela rua Sebastião de Andrade, onde morava Simão Cirineu Saraiva, subia-se o Recanto Feliz, descia-se o Jardim do Embaixador até a Fazenda Lagoinha. Depois, seguia-se até Eugênio Gabus, subia-se outra vez até o Parque Sta. Helena, e ia sair no campo de futebol da Guarda; de lá entrava-se por um lugar chamado Gaiarada, subia-se, descia-se e chegava-se ao Retiro.

Depois de doar a casa para as Irmãs, J. C. de Macedo Soares foi morarem Vila Matilde (Rua João Sampaio, n° 49).

Em 1932, houve muita movimentação de tropas aqui, e também muitas trincheiras e soldados. Eles iam tomar leite na Fazenda Lagoinha, e Nhonhô Magalhães sempre lhes dava um boi. Uma patrulha ficou de guarda, a 6 km do Retiro. Os mineiros invadiram o Retiro e foi preciso chamar os soldados sediados na Fazenda da Guarda.

De Vila Abernéssia, partiu um caminhão em socorro. Quando chegou na Lagoinha, só havia o Belizário Alves Pereira porque todo o resto fugira para o mato.

Belisário e eu fomos guiando os paulistas até o Retiro, e quando chegamos ao destino, apareceu um soldado de bandeira branca - os mineiros já haviam se retirado.

No Retiro, os mineiros “picotaram” a casa do Rogério Feliciano Godoy, o capataz da Fazenda. O Delegado era o Dr. Mathias Costa e Arthur Ramozzi, o escrivão.

Porque ajudei a tropa, recebi um salvo-conduto para circular livremente.

O Arthur, irmão de Belisário Alves Pereira, foi trazido à força pelos mineiros para mostrar-lhes onde era a casa do Rogério.

Como a Fazenda fica na divisa de Minas, é provável que tivessem alguma animosidade com ele. A chefia da Revolução Constitucionalista ficava onde atualmente há o Banespa, em Vila Abernéssia.

Durante a II Guerra Mundial, Enzo Trípoli era delegado de polícia e Paulo Camargo, escrivão. O pessoal “pintou o sete” na casa do Paulo Krause, por causa das coisas que os alemães diziam, quando acabou a guerra.

O Ministro Miguel de Godoy Moreira e Costa Sobrinho foi casado com Dona Isabel de Godoy; tiveram grande fastígio social e político em Vila Godoy, nos anos 20, em São Paulo, de onde saíram até Presidentes. Eram seus filhos, Beatriz de Godoy Moreira e Costa Ladeira, casada com Manoel Rodrigues Ladeira, Judith de Godoy, Embaixatriz lsabel de Moraes Barros, Paulo de Godoy Moreira e Costa, casado com Maria Ramos de Godoy, Marcelo de Godoy Moreira e Costa, Maria Bela de Godoy Kok, casada com André Jensen Kok e Maria Antonia de Godoy Martins Cruz.

OBS: Compilação de dados históricos constantes do livro “História de Campos do Jordão”, do advogado, jornalista e historiador Pedro Paulo Filho - Editora Santuário - 1986 - Diversas páginas.

 

 

 

Históricas - Fazenda do Retiro


Na foto uma bela visão da tradicional e famosa “Fazenda do Retiro”, localizada na região próxima à histórica Fazenda da Guarda, hoje Horto Florestal ou Parque Estadual de Campos do Jordão.

OBS: Esta foto foi gentilmente disponibilizada pela saudosa e querida amiga Malú Donato e sua filha Luciana Donato, respectivamente esposa e filha do saudoso Orestes Mário Donato, autor da fotografia.

Conheça um pouco da história da Fazenda do Retiro

As posses de Costa Manso ficavam ao lado direito do mesmo ribeirão, o qual, ao unir-se com o córrego das Perdizes, toma o nome de Rio Sapucaí-Guaçu, provavelmente, no lugar denominado Sítio Velho, posteriormente conhecido como o Retiro da Guarda.

Em 1854, Amador Rodrigues Jordão vendia o seu quinhão aos irmãos Comendador Antonio de Godoy Moreira e Alferes José de Godoy Moreira; Silvério Rodrigues Jordão, em 1855, vendia o seu quinhão aos Capitães Urbano Marcondes Machado e Domingos Marcondes Homem de Mello; em 1817, Manuel Rodrigues Jordão alienava a sua parte ao Banco do Brasil, e os herdeiros de Ana Eufrosina Jordão Ribeiro fracionaram o seu quinhão, através de diversas alienações. Os adquirentes das terras de Silvério Rodrigues Jordão retalharam a área em vários lotes e os irmãos Godoy Moreira constituíram as Fazendas da Guarda e do Retiro, onde construíram a sede e uma senzala.

O Brigadeiro faleceu antes de conhecer a Fazenda.

Feito o inventário do Brigadeiro, por sentença lavrada pelo juiz de órfãos da Comarca de São Paulo, em 22 de setembro de 1830, a Fazenda Natal abrangia todo o Município de Campos do Jordão e uma parte de Minas, sendo avaliada em 20 contos, tocando 5 contos a cada um dos herdeiros: Ana Eufrosina, Amador, Manoel e Silvério, filhos do Brigadeiro.

Por escritura de 29 de maio de 1855, Manoel Rodrigues de Lacerda Jordão e sua mulher, venderam o seu quinhão ao avô de Balthazar, Antonio de Godoy Moreira e Costa, e seu irmão, José de Godoy Moreira e Costa.

Os dois irmãos, co-proprietários, tomando posse das terras, convencionaram, amigavelmente, que a gleba de Antonio iria do atual ribeirão do Ferradura, onde havia o Potreiro das Éguas, até as vertentes do Galharada, pela margem direita do Sapucaí, e pela margem esquerda do mesmo rio, dos Correntinos à bacia do ribeirão do Paiol.

A José caberia o resto, que era maior parte, a bacia de todos os afluentes da margem direita do Sapucaí, a partir do Casquilho, incluindo o Charco, onde havia a casa. Não só o avô, mas também o pai de Balthazar, com um punhado de escravos, passaram a criar gado nas pastagens daquelas lombas. Não havia cercas: só a marca registrava a propriedade, o ferro candente e o corte nas orelhas.

O gado era tratado na Guarda, onde havia um retiro. Não havia lavoura, só criação de gado.

A Vila Capivari era chamada, naquele tempo, de “O Jordão” e os Campos eram a região toda, dobrando a serra.

A Guarda, para Antonio de Godoy Moreira e Costa ficava nos Campos, e não nos Campos do Jordão, e em Pinda, ninguém dizia: “Vou para os Campos do Jordão”, mas “Vou para os Campos”.

As trilhas foram se delineando, segundo as pegadas do gado para as querências, afora a estrada de Pinda, que, na realidade, era um carreiro para se trilhar a cavalo.

A estrada de Pinda descia até a Fazenda em reta. Outra trilha ia Sapucaí acima até a Casa Velha, e daí pelos vizos das lombas ao Potreiro das Éguas e ao Jordão, com uma derivação aos Correntinos e para a Água Santa e os campos do Serrano.

A outra, vadeando o Sapucaí, subia ao Capão dos Papagaios, ondulava pelos altos e ia até o Paiol.

Outra ainda, continuação da estrada de Pinda, subia a Galharada, cortava-o e galgando a lomba do Faxinal, atingia o Casquilho, e depois do Espraiado, do Serrote e da Serra Chorona, chegava-se, finalmente, ao Charco.

Eram os caminhos principais.

Antonio de Godoy Moreira e Costa e Antonio Amador Bueno de Godoy, avô e pai de Balthazar, não mantinham residência fixa na Guarda; passavam temporadas de dois meses, no máximo, afora as visitas curtas de vistorias, ficando o Retiro entregue a um capataz.

Os pretos que vieram a Campos, vinham da Fazenda Graminha, de Pinda. “No tempo do meu avó, até o meio do século, havia missas todos os meses e o oficiante era o Padre João de Godoy, meu tio-avô. Depois de 1920, houve horta na Guarda.

Diziam que o clima não permitia a horticultura. Bobagem. Os campeiros só se alimentavam de leite e carne.”

Em novembro de 1889, o Cel. Antonio Amador Bueno de Godoy estava na Guarda. Depois do dia 20, desceu, e só então, na serra, cruzando com um seu amigo, ficou sabendo que o Brasil já não era mais Império.

Ficou revoltado, e disse:

- “Cachorros! Não esperava isso do Deodoro. Caduquice, não pode ser de outro modo. Vão acabar com o Brasil!”

Nunca perdoou os republicanos.

Uma das primeiras pessoas que esteve na Guarda, excluindo as do círculo familiar, foi o Padre Pedro Nolasco César, vigário de São Bento, que muitas vezes, visitou a Fazenda. Também lá esteve o vigário de Pinda, o Padre Tobias, os Bueno de Pinda, da mesma família desse sacerdote (o coronel Benjamin, o Dr. Dino Bueno) sempre apareciam nos Campos.

Na Guarda não havia capela; só havia um oratório da família, tosco, que está no Rancho Sto. Antonio, de Oscar Ribeiro de Godoy.

Capela só houve depois de 1935, ou por aí, no tempo dos Kok.

Tornou-se costume gravar, à ponta de faca, o nome do visitante nas folhas das portas de entrada ou das janelas.

Tornou-se tradição. Quase todos da família inscreveram os seus nomes, Francisco de Godoy Moreira e Costa, formado pela Escola Politécnica de São Paulo, em 1899, Antonio de Godoy Moreira e Costa, bacharel em direito,em 1894.

Antonio de Godoy, poeta e delegado de polícia. Plínio de Godoy Moreira e Costa, mais tarde deputado estadual, federal e senador.

As inscrições eram manuscritas ou em letras de forma, individuais, ou em casais ou grupos: Sinhô, filho do Dr. Gustavo de Godoy, Juca, Sinhozinho e Armantina, filhos e nora de Nhá Minica, Dino Bueno, lente e diretor da Faculdade de Direito de São Paulo, Presidente interino do Estado, Cel. Virgilio Rodrigues Alves, Francisco de Paula Rodrigues Alves, “o maior dos presidentes do Brasil”.

“Conheci-o velhinho, conta Balthazar, com o seu redingote de gola de cetim e o pincenez, feio como uma múmia, mas ainda ereto e cheio de dignidade”.

Martiniano de Godoy e Marieta, Alberto Godoy que se inscreveu na Marinha, e tomou parte na Revolta de João Cândido, em 1910. “Foi excluído, mas não sofreu muito, graças a tio Elias, que era amigo do Marechal Hermes”.

João Thomaz Monteiro, tio e dentista prático.

Feliciano era capataz, a muito tempo, do Retiro, e seus filhos eram Rogério e Pérsio.

Feliciano era casado com Minervina, uma mulata alta, e tinha muitos filhos. O Dr. Miguel de Godoy e seu genro, o embaixador Pedro de Moraes Barros.


No canto de cima da porta, lia-se Luiz Pereira Barreto, médico insigne de São Paulo, por volta de 1908 ou 1909. Morava na rua Apa, perto da praça, onde está a sua estátua, em modesta casa de porta e duas janelas.

O Ministro Miguel de Godoy Moreira e Costa Sobrinho foi casado com Dona Isabel de Godoy; tiveram grande fastígio social e político em Vila Godoy, nos anos 20, em São Paulo, de onde saíram até Presidentes. Eram seus filhos, Beatriz de Godoy Moreira e Costa Ladeira, casada com Manoel Rodrigues Ladeira, Judith de Godoy, Embaixatriz lsabel de Moraes Barros, Paulo de Godoy Moreira e Costa, casado com Maria Ramos de Godoy, Marcelo de Godoy Moreira e Costa, Maria Bela de Godoy Kok, casada com André Jensen Kok e Maria Antonia de Godoy Martins Cruz.75

Os antigos acessos às Fazendas eram difíceis, pois de Pindamonhangaba, viajava-se, a pé, até o sopé da Serra, descansando-se na Fazenda Graminha, e só no dia seguinte, prosseguia-se no percurso, vindo-se pelo Ribeirão Grande, através da Mata Comprida, e descia-se pelas vertentes do rio Galharada até atingir as fazendas do Retiro e da Guarda.

A ligação com Campos do Jordão se fazia por uma trilha, através das lombadas, até atingir os Correntinos, onde já existia uma estrada.

Em 1923, depois da morte do Comendador Antonio de Godoy Moreira e Costa, sua viúva, desgostosa com o desfecho da ação de divisão judicial da Fazenda Natal, vendeu a Guarda para H. Kok, que ali montou uma serraria.

Por volta de 1934, era assustadora a devastação de pinheirais, em Campos do Jordão o que provocou grave revolta contra o funcionamento de criminosas serrarias, que atuavam, impunemente.

Depois de diversas denúncias formuladas à Secretaria da Agricultura, medidas oficiais foram adotadas pelo Secretário Adalberto Bueno Netto, o Chefe do Serviço Florestal, José Camargo Cabral, e pelo Diretor Geral da Secretaria, Eugênio Lefèvre.

A Chácara Abernéssia, que alguns chamavam de Fazenda, constituía uma das grandes propriedades, que formavam a Fazenda Natal, como a Fazenda do Banco do Estado, no atual bairro de Santa Cruz, a Fazenda do Salto, onde se iniciou o primeiro manancial e represa do mesmo nome, >B>a Fazenda Correntinos, atualmente Descansópolis, a Fazenda da Guarda, onde se acha o Parque Estadual de Campos do Jordão, a Fazenda do Retiro, a Fazenda do Baú, a Fazenda da Campista e a Fazenda Capivari, entre outras.

Vila Operária: Arlindo Félix da Silva e Augusto Barsalini. Eram fazendeiros no Município: H. Gesson Kok, da Fazenda da Guarda (madeira, gado vacum, cavalar, suíno); Plínio de Godoy, da Fazenda do Retiro (madeira, gado vacum); Bráulio Carneiro Santiago, das Fazendas do Baú, e dos Serranos (serraria); Eduardo Lagoa Ribeiro da Fazenda da Campista (serraria); Sebastião Antunes da Silva, da Fazenda Tabatinga (caolim, gado vacum); Cândido Rodrigues Salgado, da Fazenda do Baú (gado vacum e suíno); Manoel Pinto da Silva, da Fazenda do Piar (gado vacum, cavalar e suíno); Ignacio de Carvalho, da Fazenda do Baú (gado vacum); Carlos Leôncio Magalhães, da Fazenda da Lagoinha (madeiras); José Carlos de Macedo Soares, da Fazenda do Baú (madeiras); Isabella Wilson, da Fazenda Sta. Isabel (gado).

O Dr. Gustavo de Godoy por volta de 1896 freqüentou a Fazenda da Guarda, ficando hospedado no Retiro, onde receitava para o pessoal e fazia pequenas intervenções.

Contou a profª. Helena Terezinha Moyses da Silva que, a estrada que demanda a Fazenda da Guarda, partindo de Vila Capivari, foi aberta à braço, sob a supervisão de Belisário Alves Pereira, e a Guarda até a Fazenda do Retiro, por Rogério Godoy.

A estrada que liga a Lagoinha até o Parque Ferradura também foi aberta por Belisário Alves Pereira.

Atribui-se a Theodoro Mariano a abertura da estrada que interliga a Fazenda da Guarda à do Charco, em Minas Gerais, no fim da década dos anos 30.

Durante 30 anos, Belisário Alves Pereira trabalhou na Fazenda Lagoinha, implantada em 1920, por Carlos Leôncio de Magalhães.

A estrada que demanda a Fazenda da Guarda foi iniciada em 1919, a pedido do Senador Estadual, João Martins de Mello Jr., mais tarde estendida à Fazenda do Retiro, a pedido do Ministro Godoy.

Essa estrada alcança a Fazenda do Charco, já em território mineiro, podendo ligar-se à rodovia Lorena – Itajubá - Poços de Caldas, à altura de Bicas do Meio.

À vista da ligação turística de Campos do Jordão com o Circuito das Águas, parece que esse roteiro é mais recomendável que o trajeto Tabatinga-Pedra Mármore.

Mas qual, nada. Escurecia e amanhecia e eu nunca encontrei com ele, nunca resvalei com ele. Eu bebia pinga, muitas vezes, para voltar pra casa. Se eu encontrasse com ele, eu conversava... O dinheiro dele está enterrado debaixo de um pé de eucalipto, que existe no caminho do Homem Morto, justamente na curva que deriva para a estrada que vai pras fazendas Lagoinha, Guarda e Retiro. O povo diz que o dinheiro está enterrado debaixo de um pinheiro que nasceu junto com um pé de guamerim e que está na mata que fica entre os Guillain e o Souza Noschese. E que a morada do Jordão é aí.

Muita gente diz que já viu o Jordão sair dali, mas qual! O povo diz que o Jordão anda numa mula preta, mas eu nunca vi nem o rastro da mula. O Jordão morreu, mas não foi pro tacho, não. Não pôde ir pro céu porque Deus não quer ele lá, porque ele tem dinheiro enterrado. Mas não está por conta do demônio. Não. E o dinheiro é dinheiro que não derrete, não é cobre, nem chumbo, é ouro. Não apodrece também, é moeda”.

Sátiro de Godoy, domador, nascido na Fazenda Retiro. Na época da pesquisa era guarda da Fazenda Correntinos, com 68 anos: “Ouvi o Jordão falar este verso:

Na lomba do meio

Entremeio de três pinheiro,

Um caldeirão de dinheiro.

O Dr. Emílio Ribas freqüentava muito a Fazenda do Retiro. Quem assassinou o seu filho, Paulo Ribas, foi Moacir Barbosa, cuja esposa era cliente do médico.

O crime foi de fundo passional.

O caminho de Vila Capivari à Fazenda do Retiro, naquela época, era o seguinte: entrava-se pela rua Sebastião de Andrade, onde morava Simão Cirineu Saraiva, subia-se o Recanto Feliz, descia-se o Jardim do Embaixador até a Fazenda Lagoinha. Depois, seguia-se até Eugênio Gabus, subia-se outra vez até o Parque Sta. Helena, e ia sair no campo de futebol da Guarda; de lá entrava-se por um lugar chamado Gaiarada, subia-se, descia-se e chegava-se ao Retiro.

Depois de doar a casa para as Irmãs, J. C. de Macedo Soares foi morarem Vila Matilde (Rua João Sampaio, n° 49).

Em 1932, houve muita movimentação de tropas aqui, e também muitas trincheiras e soldados. Eles iam tomar leite na Fazenda Lagoinha, e Nhonhô Magalhães sempre lhes dava um boi. Uma patrulha ficou de guarda, a 6 km do Retiro. Os mineiros invadiram o Retiro e foi preciso chamar os soldados sediados na Fazenda da Guarda.

De Vila Abernéssia, partiu um caminhão em socorro. Quando chegou na Lagoinha, só havia o Belizário Alves Pereira porque todo o resto fugira para o mato.

Belisário e eu fomos guiando os paulistas até o Retiro, e quando chegamos ao destino, apareceu um soldado de bandeira branca - os mineiros já haviam se retirado.

No Retiro, os mineiros “picotaram” a casa do Rogério Feliciano Godoy, o capataz da Fazenda. O Delegado era o Dr. Mathias Costa e Arthur Ramozzi, o escrivão.

Porque ajudei a tropa, recebi um salvo-conduto para circular livremente.

O Arthur, irmão de Belisário Alves Pereira, foi trazido à força pelos mineiros para mostrar-lhes onde era a casa do Rogério.

Como a Fazenda fica na divisa de Minas, é provável que tivessem alguma animosidade com ele. A chefia da Revolução Constitucionalista ficava onde atualmente há o Banespa, em Vila Abernéssia.

Durante a II Guerra Mundial, Enzo Trípoli era delegado de polícia e Paulo Camargo, escrivão. O pessoal “pintou o sete” na casa do Paulo Krause, por causa das coisas que os alemães diziam, quando acabou a guerra.

O Ministro Miguel de Godoy Moreira e Costa Sobrinho foi casado com Dona Isabel de Godoy; tiveram grande fastígio social e político em Vila Godoy, nos anos 20, em São Paulo, de onde saíram até Presidentes. Eram seus filhos, Beatriz de Godoy Moreira e Costa Ladeira, casada com Manoel Rodrigues Ladeira, Judith de Godoy, Embaixatriz lsabel de Moraes Barros, Paulo de Godoy Moreira e Costa, casado com Maria Ramos de Godoy, Marcelo de Godoy Moreira e Costa, Maria Bela de Godoy Kok, casada com André Jensen Kok e Maria Antonia de Godoy Martins Cruz.

OBS: Compilação de dados históricos constantes do livro “História de Campos do Jordão”, do advogado, jornalista e historiador Pedro Paulo Filho - Editora Santuário - 1986 - Diversas páginas.

 

 

 

Históricas - Fazenda do Retiro


Na foto uma bela visão dos estábulos da tradicional e famosa “Fazenda do Retiro”, localizada na região próxima à histórica Fazenda da Guarda, hoje Horto Florestal ou Parque Estadual de Campos do Jordão.

OBS: Esta foto foi gentilmente disponibilizada pela saudosa e querida amiga Malú Donato e sua filha Luciana Donato, respectivamente esposa e filha do saudoso Orestes Mário Donato, autor da fotografia.

Conheça um pouco da história da Fazenda do Retiro

As posses de Costa Manso ficavam ao lado direito do mesmo ribeirão, o qual, ao unir-se com o córrego das Perdizes, toma o nome de Rio Sapucaí-Guaçu, provavelmente, no lugar denominado Sítio Velho, posteriormente conhecido como o Retiro da Guarda.

Em 1854, Amador Rodrigues Jordão vendia o seu quinhão aos irmãos Comendador Antonio de Godoy Moreira e Alferes José de Godoy Moreira; Silvério Rodrigues Jordão, em 1855, vendia o seu quinhão aos Capitães Urbano Marcondes Machado e Domingos Marcondes Homem de Mello; em 1817, Manuel Rodrigues Jordão alienava a sua parte ao Banco do Brasil, e os herdeiros de Ana Eufrosina Jordão Ribeiro fracionaram o seu quinhão, através de diversas alienações. Os adquirentes das terras de Silvério Rodrigues Jordão retalharam a área em vários lotes e os irmãos Godoy Moreira constituíram as Fazendas da Guarda e do Retiro, onde construíram a sede e uma senzala.

O Brigadeiro faleceu antes de conhecer a Fazenda.

Feito o inventário do Brigadeiro, por sentença lavrada pelo juiz de órfãos da Comarca de São Paulo, em 22 de setembro de 1830, a Fazenda Natal abrangia todo o Município de Campos do Jordão e uma parte de Minas, sendo avaliada em 20 contos, tocando 5 contos a cada um dos herdeiros: Ana Eufrosina, Amador, Manoel e Silvério, filhos do Brigadeiro.

Por escritura de 29 de maio de 1855, Manoel Rodrigues de Lacerda Jordão e sua mulher, venderam o seu quinhão ao avô de Balthazar, Antonio de Godoy Moreira e Costa, e seu irmão, José de Godoy Moreira e Costa.

Os dois irmãos, co-proprietários, tomando posse das terras, convencionaram, amigavelmente, que a gleba de Antonio iria do atual ribeirão do Ferradura, onde havia o Potreiro das Éguas, até as vertentes do Galharada, pela margem direita do Sapucaí, e pela margem esquerda do mesmo rio, dos Correntinos à bacia do ribeirão do Paiol.

A José caberia o resto, que era maior parte, a bacia de todos os afluentes da margem direita do Sapucaí, a partir do Casquilho, incluindo o Charco, onde havia a casa. Não só o avô, mas também o pai de Balthazar, com um punhado de escravos, passaram a criar gado nas pastagens daquelas lombas. Não havia cercas: só a marca registrava a propriedade, o ferro candente e o corte nas orelhas.

O gado era tratado na Guarda, onde havia um retiro. Não havia lavoura, só criação de gado.

A Vila Capivari era chamada, naquele tempo, de “O Jordão” e os Campos eram a região toda, dobrando a serra.

A Guarda, para Antonio de Godoy Moreira e Costa ficava nos Campos, e não nos Campos do Jordão, e em Pinda, ninguém dizia: “Vou para os Campos do Jordão”, mas “Vou para os Campos”.

As trilhas foram se delineando, segundo as pegadas do gado para as querências, afora a estrada de Pinda, que, na realidade, era um carreiro para se trilhar a cavalo.

A estrada de Pinda descia até a Fazenda em reta. Outra trilha ia Sapucaí acima até a Casa Velha, e daí pelos vizos das lombas ao Potreiro das Éguas e ao Jordão, com uma derivação aos Correntinos e para a Água Santa e os campos do Serrano.

A outra, vadeando o Sapucaí, subia ao Capão dos Papagaios, ondulava pelos altos e ia até o Paiol.

Outra ainda, continuação da estrada de Pinda, subia a Galharada, cortava-o e galgando a lomba do Faxinal, atingia o Casquilho, e depois do Espraiado, do Serrote e da Serra Chorona, chegava-se, finalmente, ao Charco.

Eram os caminhos principais.

Antonio de Godoy Moreira e Costa e Antonio Amador Bueno de Godoy, avô e pai de Balthazar, não mantinham residência fixa na Guarda; passavam temporadas de dois meses, no máximo, afora as visitas curtas de vistorias, ficando o Retiro entregue a um capataz.

Os pretos que vieram a Campos, vinham da Fazenda Graminha, de Pinda. “No tempo do meu avó, até o meio do século, havia missas todos os meses e o oficiante era o Padre João de Godoy, meu tio-avô. Depois de 1920, houve horta na Guarda.

Diziam que o clima não permitia a horticultura. Bobagem. Os campeiros só se alimentavam de leite e carne.”

Em novembro de 1889, o Cel. Antonio Amador Bueno de Godoy estava na Guarda. Depois do dia 20, desceu, e só então, na serra, cruzando com um seu amigo, ficou sabendo que o Brasil já não era mais Império.

Ficou revoltado, e disse:

- “Cachorros! Não esperava isso do Deodoro. Caduquice, não pode ser de outro modo. Vão acabar com o Brasil!”

Nunca perdoou os republicanos.

Uma das primeiras pessoas que esteve na Guarda, excluindo as do círculo familiar, foi o Padre Pedro Nolasco César, vigário de São Bento, que muitas vezes, visitou a Fazenda. Também lá esteve o vigário de Pinda, o Padre Tobias, os Bueno de Pinda, da mesma família desse sacerdote (o coronel Benjamin, o Dr. Dino Bueno) sempre apareciam nos Campos.

Na Guarda não havia capela; só havia um oratório da família, tosco, que está no Rancho Sto. Antonio, de Oscar Ribeiro de Godoy.

Capela só houve depois de 1935, ou por aí, no tempo dos Kok.

Tornou-se costume gravar, à ponta de faca, o nome do visitante nas folhas das portas de entrada ou das janelas.

Tornou-se tradição. Quase todos da família inscreveram os seus nomes, Francisco de Godoy Moreira e Costa, formado pela Escola Politécnica de São Paulo, em 1899, Antonio de Godoy Moreira e Costa, bacharel em direito,em 1894.

Antonio de Godoy, poeta e delegado de polícia. Plínio de Godoy Moreira e Costa, mais tarde deputado estadual, federal e senador.

As inscrições eram manuscritas ou em letras de forma, individuais, ou em casais ou grupos: Sinhô, filho do Dr. Gustavo de Godoy, Juca, Sinhozinho e Armantina, filhos e nora de Nhá Minica, Dino Bueno, lente e diretor da Faculdade de Direito de São Paulo, Presidente interino do Estado, Cel. Virgilio Rodrigues Alves, Francisco de Paula Rodrigues Alves, “o maior dos presidentes do Brasil”.

“Conheci-o velhinho, conta Balthazar, com o seu redingote de gola de cetim e o pincenez, feio como uma múmia, mas ainda ereto e cheio de dignidade”.

Martiniano de Godoy e Marieta, Alberto Godoy que se inscreveu na Marinha, e tomou parte na Revolta de João Cândido, em 1910. “Foi excluído, mas não sofreu muito, graças a tio Elias, que era amigo do Marechal Hermes”. João Thomaz Monteiro, tio e dentista prático.

Feliciano era capataz, a muito tempo, do Retiro, e seus filhos eram Rogério e Pérsio.

Feliciano era casado com Minervina, uma mulata alta, e tinha muitos filhos. O Dr. Miguel de Godoy e seu genro, o embaixador Pedro de Moraes Barros.


No canto de cima da porta, lia-se Luiz Pereira Barreto, médico insigne de São Paulo, por volta de 1908 ou 1909. Morava na rua Apa, perto da praça, onde está a sua estátua, em modesta casa de porta e duas janelas.

O Ministro Miguel de Godoy Moreira e Costa Sobrinho foi casado com Dona Isabel de Godoy; tiveram grande fastígio social e político em Vila Godoy, nos anos 20, em São Paulo, de onde saíram até Presidentes. Eram seus filhos, Beatriz de Godoy Moreira e Costa Ladeira, casada com Manoel Rodrigues Ladeira, Judith de Godoy, Embaixatriz lsabel de Moraes Barros, Paulo de Godoy Moreira e Costa, casado com Maria Ramos de Godoy, Marcelo de Godoy Moreira e Costa, Maria Bela de Godoy Kok, casada com André Jensen Kok e Maria Antonia de Godoy Martins Cruz.75

Os antigos acessos às Fazendas eram difíceis, pois de Pindamonhangaba, viajava-se, a pé, até o sopé da Serra, descansando-se na Fazenda Graminha, e só no dia seguinte, prosseguia-se no percurso, vindo-se pelo Ribeirão Grande, através da Mata Comprida, e descia-se pelas vertentes do rio Galharada até atingir as fazendas do Retiro e da Guarda.

A ligação com Campos do Jordão se fazia por uma trilha, através das lombadas, até atingir os Correntinos, onde já existia uma estrada.

Em 1923, depois da morte do Comendador Antonio de Godoy Moreira e Costa, sua viúva, desgostosa com o desfecho da ação de divisão judicial da Fazenda Natal, vendeu a Guarda para H. Kok, que ali montou uma serraria.

Por volta de 1934, era assustadora a devastação de pinheirais, em Campos do Jordão o que provocou grave revolta contra o funcionamento de criminosas serrarias, que atuavam, impunemente.

Depois de diversas denúncias formuladas à Secretaria da Agricultura, medidas oficiais foram adotadas pelo Secretário Adalberto Bueno Netto, o Chefe do Serviço Florestal, José Camargo Cabral, e pelo Diretor Geral da Secretaria, Eugênio Lefèvre.

A Chácara Abernéssia, que alguns chamavam de Fazenda, constituía uma das grandes propriedades, que formavam a Fazenda Natal, como a Fazenda do Banco do Estado, no atual bairro de Santa Cruz, a Fazenda do Salto, onde se iniciou o primeiro manancial e represa do mesmo nome, >B>a Fazenda Correntinos, atualmente Descansópolis, a Fazenda da Guarda, onde se acha o Parque Estadual de Campos do Jordão, a Fazenda do Retiro, a Fazenda do Baú, a Fazenda da Campista e a Fazenda Capivari, entre outras.

Vila Operária: Arlindo Félix da Silva e Augusto Barsalini. Eram fazendeiros no Município: H. Gesson Kok, da Fazenda da Guarda (madeira, gado vacum, cavalar, suíno); Plínio de Godoy, da Fazenda do Retiro (madeira, gado vacum); Bráulio Carneiro Santiago, das Fazendas do Baú, e dos Serranos (serraria); Eduardo Lagoa Ribeiro da Fazenda da Campista (serraria); Sebastião Antunes da Silva, da Fazenda Tabatinga (caolim, gado vacum); Cândido Rodrigues Salgado, da Fazenda do Baú (gado vacum e suíno); Manoel Pinto da Silva, da Fazenda do Piar (gado vacum, cavalar e suíno); Ignacio de Carvalho, da Fazenda do Baú (gado vacum); Carlos Leôncio Magalhães, da Fazenda da Lagoinha (madeiras); José Carlos de Macedo Soares, da Fazenda do Baú (madeiras); Isabella Wilson, da Fazenda Sta. Isabel (gado).

O Dr. Gustavo de Godoy por volta de 1896 freqüentou a Fazenda da Guarda, ficando hospedado no Retiro, onde receitava para o pessoal e fazia pequenas intervenções.

Contou a profª. Helena Terezinha Moyses da Silva que, a estrada que demanda a Fazenda da Guarda, partindo de Vila Capivari, foi aberta à braço, sob a supervisão de Belisário Alves Pereira, e a Guarda até a Fazenda do Retiro, por Rogério Godoy.

A estrada que liga a Lagoinha até o Parque Ferradura também foi aberta por Belisário Alves Pereira.

Atribui-se a Theodoro Mariano a abertura da estrada que interliga a Fazenda da Guarda à do Charco, em Minas Gerais, no fim da década dos anos 30.

Durante 30 anos, Belisário Alves Pereira trabalhou na Fazenda Lagoinha, implantada em 1920, por Carlos Leôncio de Magalhães.

A estrada que demanda a Fazenda da Guarda foi iniciada em 1919, a pedido do Senador Estadual, João Martins de Mello Jr., mais tarde estendida à Fazenda do Retiro, a pedido do Ministro Godoy.

Essa estrada alcança a Fazenda do Charco, já em território mineiro, podendo ligar-se à rodovia Lorena – Itajubá - Poços de Caldas, à altura de Bicas do Meio.

À vista da ligação turística de Campos do Jordão com o Circuito das Águas, parece que esse roteiro é mais recomendável que o trajeto Tabatinga-Pedra Mármore.

Mas qual, nada. Escurecia e amanhecia e eu nunca encontrei com ele, nunca resvalei com ele. Eu bebia pinga, muitas vezes, para voltar pra casa. Se eu encontrasse com ele, eu conversava... O dinheiro dele está enterrado debaixo de um pé de eucalipto, que existe no caminho do Homem Morto, justamente na curva que deriva para a estrada que vai pras fazendas Lagoinha, Guarda e Retiro. O povo diz que o dinheiro está enterrado debaixo de um pinheiro que nasceu junto com um pé de guamerim e que está na mata que fica entre os Guillain e o Souza Noschese. E que a morada do Jordão é aí.

Muita gente diz que já viu o Jordão sair dali, mas qual! O povo diz que o Jordão anda numa mula preta, mas eu nunca vi nem o rastro da mula. O Jordão morreu, mas não foi pro tacho, não. Não pôde ir pro céu porque Deus não quer ele lá, porque ele tem dinheiro enterrado. Mas não está por conta do demônio. Não. E o dinheiro é dinheiro que não derrete, não é cobre, nem chumbo, é ouro. Não apodrece também, é moeda”.

Sátiro de Godoy, domador, nascido na Fazenda Retiro. Na época da pesquisa era guarda da Fazenda Correntinos, com 68 anos: “Ouvi o Jordão falar este verso:

Na lomba do meio

Entremeio de três pinheiro,

Um caldeirão de dinheiro.

O Dr. Emílio Ribas freqüentava muito a Fazenda do Retiro. Quem assassinou o seu filho, Paulo Ribas, foi Moacir Barbosa, cuja esposa era cliente do médico.

O crime foi de fundo passional.

O caminho de Vila Capivari à Fazenda do Retiro, naquela época, era o seguinte: entrava-se pela rua Sebastião de Andrade, onde morava Simão Cirineu Saraiva, subia-se o Recanto Feliz, descia-se o Jardim do Embaixador até a Fazenda Lagoinha. Depois, seguia-se até Eugênio Gabus, subia-se outra vez até o Parque Sta. Helena, e ia sair no campo de futebol da Guarda; de lá entrava-se por um lugar chamado Gaiarada, subia-se, descia-se e chegava-se ao Retiro.

Depois de doar a casa para as Irmãs, J. C. de Macedo Soares foi morarem Vila Matilde (Rua João Sampaio, n° 49).

Em 1932, houve muita movimentação de tropas aqui, e também muitas trincheiras e soldados. Eles iam tomar leite na Fazenda Lagoinha, e Nhonhô Magalhães sempre lhes dava um boi. Uma patrulha ficou de guarda, a 6 km do Retiro. Os mineiros invadiram o Retiro e foi preciso chamar os soldados sediados na Fazenda da Guarda.

De Vila Abernéssia, partiu um caminhão em socorro. Quando chegou na Lagoinha, só havia o Belizário Alves Pereira porque todo o resto fugira para o mato.

Belisário e eu fomos guiando os paulistas até o Retiro, e quando chegamos ao destino, apareceu um soldado de bandeira branca - os mineiros já haviam se retirado.

No Retiro, os mineiros “picotaram” a casa do Rogério Feliciano Godoy, o capataz da Fazenda. O Delegado era o Dr. Mathias Costa e Arthur Ramozzi, o escrivão.

Porque ajudei a tropa, recebi um salvo-conduto para circular livremente.

O Arthur, irmão de Belisário Alves Pereira, foi trazido à força pelos mineiros para mostrar-lhes onde era a casa do Rogério.

Como a Fazenda fica na divisa de Minas, é provável que tivessem alguma animosidade com ele. A chefia da Revolução Constitucionalista ficava onde atualmente há o Banespa, em Vila Abernéssia.

Durante a II Guerra Mundial, Enzo Trípoli era delegado de polícia e Paulo Camargo, escrivão. O pessoal “pintou o sete” na casa do Paulo Krause, por causa das coisas que os alemães diziam, quando acabou a guerra.

O Ministro Miguel de Godoy Moreira e Costa Sobrinho foi casado com Dona Isabel de Godoy; tiveram grande fastígio social e político em Vila Godoy, nos anos 20, em São Paulo, de onde saíram até Presidentes. Eram seus filhos, Beatriz de Godoy Moreira e Costa Ladeira, casada com Manoel Rodrigues Ladeira, Judith de Godoy, Embaixatriz lsabel de Moraes Barros, Paulo de Godoy Moreira e Costa, casado com Maria Ramos de Godoy, Marcelo de Godoy Moreira e Costa, Maria Bela de Godoy Kok, casada com André Jensen Kok e Maria Antonia de Godoy Martins Cruz.

OBS: Compilação de dados históricos constantes do livro “História de Campos do Jordão”, do advogado, jornalista e historiador Pedro Paulo Filho - Editora Santuário - 1986 - Diversas páginas.

 

 

 

Históricas - Fazenda do Retiro


Na foto: Os noivos Celso Antonio de Godoy e Maria de Oliveira Lima depois de casados posam para foto histórica na bela varanda da, lendária, tradicional e centenária “Fazenda do Retiro”, situada pouco adiante do nosso Horto Florestal ou, para os mais antigos, Fazenda da Guarda.

O casamento do meu tio Celso Antonio de Godoy com a tia Maria de Oliveira Lima ocorreu no dia 25 de junho de 1955, Celso Antonio, um dos filhos de minha avó Minervina Pavan Godoy, em seu segundo casamento com Celso Feliciano de Godoy, mais conhecido como Pérsio. Celso Antonio, irmão de minha mãe Odete, também filha da avó Minervina, de seu primeiro casamento com Mário Pavan. Maria, filha do casal Sr. Alcides de Oliveira Lima e de D. Izaltina Leite de Oliveira Lima, administradores da lendária, tradicional e centenária “Fazenda do Retiro”, situada pouco adiante do nosso Horto Florestal ou, para os mais antigos, Fazenda da Guarda.

OBS: Esta foto foi gentilmente disponibilizada pela saudosa e querida amiga Malú Donato e sua filha Luciana Donato, respectivamente esposa e filha do saudoso Orestes Mário Donato, autor da fotografia.

Conheça um pouco da história da Fazenda do Retiro

As posses de Costa Manso ficavam ao lado direito do mesmo ribeirão, o qual, ao unir-se com o córrego das Perdizes, toma o nome de Rio Sapucaí-Guaçu, provavelmente, no lugar denominado Sítio Velho, posteriormente conhecido como o Retiro da Guarda.

Em 1854, Amador Rodrigues Jordão vendia o seu quinhão aos irmãos Comendador Antonio de Godoy Moreira e Alferes José de Godoy Moreira; Silvério Rodrigues Jordão, em 1855, vendia o seu quinhão aos Capitães Urbano Marcondes Machado e Domingos Marcondes Homem de Mello; em 1817, Manuel Rodrigues Jordão alienava a sua parte ao Banco do Brasil, e os herdeiros de Ana Eufrosina Jordão Ribeiro fracionaram o seu quinhão, através de diversas alienações. Os adquirentes das terras de Silvério Rodrigues Jordão retalharam a área em vários lotes e os irmãos Godoy Moreira constituíram as Fazendas da Guarda e do Retiro, onde construíram a sede e uma senzala.

O Brigadeiro faleceu antes de conhecer a Fazenda.

Feito o inventário do Brigadeiro, por sentença lavrada pelo juiz de órfãos da Comarca de São Paulo, em 22 de setembro de 1830, a Fazenda Natal abrangia todo o Município de Campos do Jordão e uma parte de Minas, sendo avaliada em 20 contos, tocando 5 contos a cada um dos herdeiros: Ana Eufrosina, Amador, Manoel e Silvério, filhos do Brigadeiro.

Por escritura de 29 de maio de 1855, Manoel Rodrigues de Lacerda Jordão e sua mulher, venderam o seu quinhão ao avô de Balthazar, Antonio de Godoy Moreira e Costa, e seu irmão, José de Godoy Moreira e Costa.

Os dois irmãos, co-proprietários, tomando posse das terras, convencionaram, amigavelmente, que a gleba de Antonio iria do atual ribeirão do Ferradura, onde havia o Potreiro das Éguas, até as vertentes do Galharada, pela margem direita do Sapucaí, e pela margem esquerda do mesmo rio, dos Correntinos à bacia do ribeirão do Paiol.

A José caberia o resto, que era maior parte, a bacia de todos os afluentes da margem direita do Sapucaí, a partir do Casquilho, incluindo o Charco, onde havia a casa. Não só o avô, mas também o pai de Balthazar, com um punhado de escravos, passaram a criar gado nas pastagens daquelas lombas. Não havia cercas: só a marca registrava a propriedade, o ferro candente e o corte nas orelhas.

O gado era tratado na Guarda, onde havia um retiro. Não havia lavoura, só criação de gado.

A Vila Capivari era chamada, naquele tempo, de “O Jordão” e os Campos eram a região toda, dobrando a serra.

A Guarda, para Antonio de Godoy Moreira e Costa ficava nos Campos, e não nos Campos do Jordão, e em Pinda, ninguém dizia: “Vou para os Campos do Jordão”, mas “Vou para os Campos”.

As trilhas foram se delineando, segundo as pegadas do gado para as querências, afora a estrada de Pinda, que, na realidade, era um carreiro para se trilhar a cavalo.

A estrada de Pinda descia até a Fazenda em reta. Outra trilha ia Sapucaí acima até a Casa Velha, e daí pelos vizos das lombas ao Potreiro das Éguas e ao Jordão, com uma derivação aos Correntinos e para a Água Santa e os campos do Serrano.

A outra, vadeando o Sapucaí, subia ao Capão dos Papagaios, ondulava pelos altos e ia até o Paiol.

Outra ainda, continuação da estrada de Pinda, subia a Galharada, cortava-o e galgando a lomba do Faxinal, atingia o Casquilho, e depois do Espraiado, do Serrote e da Serra Chorona, chegava-se, finalmente, ao Charco.

Eram os caminhos principais.

Antonio de Godoy Moreira e Costa e Antonio Amador Bueno de Godoy, avô e pai de Balthazar, não mantinham residência fixa na Guarda; passavam temporadas de dois meses, no máximo, afora as visitas curtas de vistorias, ficando o Retiro entregue a um capataz.

Os pretos que vieram a Campos, vinham da Fazenda Graminha, de Pinda. “No tempo do meu avó, até o meio do século, havia missas todos os meses e o oficiante era o Padre João de Godoy, meu tio-avô. Depois de 1920, houve horta na Guarda.

Diziam que o clima não permitia a horticultura. Bobagem. Os campeiros só se alimentavam de leite e carne.”

Em novembro de 1889, o Cel. Antonio Amador Bueno de Godoy estava na Guarda. Depois do dia 20, desceu, e só então, na serra, cruzando com um seu amigo, ficou sabendo que o Brasil já não era mais Império.

Ficou revoltado, e disse:

- “Cachorros! Não esperava isso do Deodoro. Caduquice, não pode ser de outro modo. Vão acabar com o Brasil!”

Nunca perdoou os republicanos.

Uma das primeiras pessoas que esteve na Guarda, excluindo as do círculo familiar, foi o Padre Pedro Nolasco César, vigário de São Bento, que muitas vezes, visitou a Fazenda. Também lá esteve o vigário de Pinda, o Padre Tobias, os Bueno de Pinda, da mesma família desse sacerdote (o coronel Benjamin, o Dr. Dino Bueno) sempre apareciam nos Campos.

Na Guarda não havia capela; só havia um oratório da família, tosco, que está no Rancho Sto. Antonio, de Oscar Ribeiro de Godoy.

Capela só houve depois de 1935, ou por aí, no tempo dos Kok.

Tornou-se costume gravar, à ponta de faca, o nome do visitante nas folhas das portas de entrada ou das janelas.

Tornou-se tradição. Quase todos da família inscreveram os seus nomes, Francisco de Godoy Moreira e Costa, formado pela Escola Politécnica de São Paulo, em 1899, Antonio de Godoy Moreira e Costa, bacharel em direito,em 1894.

Antonio de Godoy, poeta e delegado de polícia. Plínio de Godoy Moreira e Costa, mais tarde deputado estadual, federal e senador.

As inscrições eram manuscritas ou em letras de forma, individuais, ou em casais ou grupos: Sinhô, filho do Dr. Gustavo de Godoy, Juca, Sinhozinho e Armantina, filhos e nora de Nhá Minica, Dino Bueno, lente e diretor da Faculdade de Direito de São Paulo, Presidente interino do Estado, Cel. Virgilio Rodrigues Alves, Francisco de Paula Rodrigues Alves, “o maior dos presidentes do Brasil”.

“Conheci-o velhinho, conta Balthazar, com o seu redingote de gola de cetim e o pincenez, feio como uma múmia, mas ainda ereto e cheio de dignidade”.

Martiniano de Godoy e Marieta, Alberto Godoy que se inscreveu na Marinha, e tomou parte na Revolta de João Cândido, em 1910. “Foi excluído, mas não sofreu muito, graças a tio Elias, que era amigo do Marechal Hermes”.

João Thomaz Monteiro, tio e dentista prático.

Feliciano era capataz, a muito tempo, do Retiro, e seus filhos eram Rogério e Pérsio.

Feliciano era casado com Minervina, uma mulata alta, e tinha muitos filhos. O Dr. Miguel de Godoy e seu genro, o embaixador Pedro de Moraes Barros.


No canto de cima da porta, lia-se Luiz Pereira Barreto, médico insigne de São Paulo, por volta de 1908 ou 1909. Morava na rua Apa, perto da praça, onde está a sua estátua, em modesta casa de porta e duas janelas.

O Ministro Miguel de Godoy Moreira e Costa Sobrinho foi casado com Dona Isabel de Godoy; tiveram grande fastígio social e político em Vila Godoy, nos anos 20, em São Paulo, de onde saíram até Presidentes. Eram seus filhos, Beatriz de Godoy Moreira e Costa Ladeira, casada com Manoel Rodrigues Ladeira, Judith de Godoy, Embaixatriz lsabel de Moraes Barros, Paulo de Godoy Moreira e Costa, casado com Maria Ramos de Godoy, Marcelo de Godoy Moreira e Costa, Maria Bela de Godoy Kok, casada com André Jensen Kok e Maria Antonia de Godoy Martins Cruz.75

Os antigos acessos às Fazendas eram difíceis, pois de Pindamonhangaba, viajava-se, a pé, até o sopé da Serra, descansando-se na Fazenda Graminha, e só no dia seguinte, prosseguia-se no percurso, vindo-se pelo Ribeirão Grande, através da Mata Comprida, e descia-se pelas vertentes do rio Galharada até atingir as fazendas do Retiro e da Guarda.

A ligação com Campos do Jordão se fazia por uma trilha, através das lombadas, até atingir os Correntinos, onde já existia uma estrada.

Em 1923, depois da morte do Comendador Antonio de Godoy Moreira e Costa, sua viúva, desgostosa com o desfecho da ação de divisão judicial da Fazenda Natal, vendeu a Guarda para H. Kok, que ali montou uma serraria.

Por volta de 1934, era assustadora a devastação de pinheirais, em Campos do Jordão o que provocou grave revolta contra o funcionamento de criminosas serrarias, que atuavam, impunemente.

Depois de diversas denúncias formuladas à Secretaria da Agricultura, medidas oficiais foram adotadas pelo Secretário Adalberto Bueno Netto, o Chefe do Serviço Florestal, José Camargo Cabral, e pelo Diretor Geral da Secretaria, Eugênio Lefèvre.

A Chácara Abernéssia, que alguns chamavam de Fazenda, constituía uma das grandes propriedades, que formavam a Fazenda Natal, como a Fazenda do Banco do Estado, no atual bairro de Santa Cruz, a Fazenda do Salto, onde se iniciou o primeiro manancial e represa do mesmo nome, >B>a Fazenda Correntinos, atualmente Descansópolis, a Fazenda da Guarda, onde se acha o Parque Estadual de Campos do Jordão, a Fazenda do Retiro, a Fazenda do Baú, a Fazenda da Campista e a Fazenda Capivari, entre outras.

Vila Operária: Arlindo Félix da Silva e Augusto Barsalini. Eram fazendeiros no Município: H. Gesson Kok, da Fazenda da Guarda (madeira, gado vacum, cavalar, suíno); Plínio de Godoy, da Fazenda do Retiro (madeira, gado vacum); Bráulio Carneiro Santiago, das Fazendas do Baú, e dos Serranos (serraria); Eduardo Lagoa Ribeiro da Fazenda da Campista (serraria); Sebastião Antunes da Silva, da Fazenda Tabatinga (caolim, gado vacum); Cândido Rodrigues Salgado, da Fazenda do Baú (gado vacum e suíno); Manoel Pinto da Silva, da Fazenda do Piar (gado vacum, cavalar e suíno); Ignacio de Carvalho, da Fazenda do Baú (gado vacum); Carlos Leôncio Magalhães, da Fazenda da Lagoinha (madeiras); José Carlos de Macedo Soares, da Fazenda do Baú (madeiras); Isabella Wilson, da Fazenda Sta. Isabel (gado).

O Dr. Gustavo de Godoy por volta de 1896 freqüentou a Fazenda da Guarda, ficando hospedado no Retiro, onde receitava para o pessoal e fazia pequenas intervenções.

Contou a profª. Helena Terezinha Moyses da Silva que, a estrada que demanda a Fazenda da Guarda, partindo de Vila Capivari, foi aberta à braço, sob a supervisão de Belisário Alves Pereira, e a Guarda até a Fazenda do Retiro, por Rogério Godoy.

A estrada que liga a Lagoinha até o Parque Ferradura também foi aberta por Belisário Alves Pereira.

Atribui-se a Theodoro Mariano a abertura da estrada que interliga a Fazenda da Guarda à do Charco, em Minas Gerais, no fim da década dos anos 30.

Durante 30 anos, Belisário Alves Pereira trabalhou na Fazenda Lagoinha, implantada em 1920, por Carlos Leôncio de Magalhães.

A estrada que demanda a Fazenda da Guarda foi iniciada em 1919, a pedido do Senador Estadual, João Martins de Mello Jr., mais tarde estendida à Fazenda do Retiro, a pedido do Ministro Godoy.

Essa estrada alcança a Fazenda do Charco, já em território mineiro, podendo ligar-se à rodovia Lorena – Itajubá - Poços de Caldas, à altura de Bicas do Meio.

À vista da ligação turística de Campos do Jordão com o Circuito das Águas, parece que esse roteiro é mais recomendável que o trajeto Tabatinga-Pedra Mármore.

Mas qual, nada. Escurecia e amanhecia e eu nunca encontrei com ele, nunca resvalei com ele. Eu bebia pinga, muitas vezes, para voltar pra casa. Se eu encontrasse com ele, eu conversava... O dinheiro dele está enterrado debaixo de um pé de eucalipto, que existe no caminho do Homem Morto, justamente na curva que deriva para a estrada que vai pras fazendas Lagoinha, Guarda e Retiro. O povo diz que o dinheiro está enterrado debaixo de um pinheiro que nasceu junto com um pé de guamerim e que está na mata que fica entre os Guillain e o Souza Noschese. E que a morada do Jordão é aí.

Muita gente diz que já viu o Jordão sair dali, mas qual! O povo diz que o Jordão anda numa mula preta, mas eu nunca vi nem o rastro da mula. O Jordão morreu, mas não foi pro tacho, não. Não pôde ir pro céu porque Deus não quer ele lá, porque ele tem dinheiro enterrado. Mas não está por conta do demônio. Não. E o dinheiro é dinheiro que não derrete, não é cobre, nem chumbo, é ouro. Não apodrece também, é moeda”.

Sátiro de Godoy, domador, nascido na Fazenda Retiro. Na época da pesquisa era guarda da Fazenda Correntinos, com 68 anos: “Ouvi o Jordão falar este verso:

Na lomba do meio

Entremeio de três pinheiro,

Um caldeirão de dinheiro.

O Dr. Emílio Ribas freqüentava muito a Fazenda do Retiro. Quem assassinou o seu filho, Paulo Ribas, foi Moacir Barbosa, cuja esposa era cliente do médico.

O crime foi de fundo passional.

O caminho de Vila Capivari à Fazenda do Retiro, naquela época, era o seguinte: entrava-se pela rua Sebastião de Andrade, onde morava Simão Cirineu Saraiva, subia-se o Recanto Feliz, descia-se o Jardim do Embaixador até a Fazenda Lagoinha. Depois, seguia-se até Eugênio Gabus, subia-se outra vez até o Parque Sta. Helena, e ia sair no campo de futebol da Guarda; de lá entrava-se por um lugar chamado Gaiarada, subia-se, descia-se e chegava-se ao Retiro.

Depois de doar a casa para as Irmãs, J. C. de Macedo Soares foi morarem Vila Matilde (Rua João Sampaio, n° 49).

Em 1932, houve muita movimentação de tropas aqui, e também muitas trincheiras e soldados. Eles iam tomar leite na Fazenda Lagoinha, e Nhonhô Magalhães sempre lhes dava um boi. Uma patrulha ficou de guarda, a 6 km do Retiro. Os mineiros invadiram o Retiro e foi preciso chamar os soldados sediados na Fazenda da Guarda.

De Vila Abernéssia, partiu um caminhão em socorro. Quando chegou na Lagoinha, só havia o Belizário Alves Pereira porque todo o resto fugira para o mato.

Belisário e eu fomos guiando os paulistas até o Retiro, e quando chegamos ao destino, apareceu um soldado de bandeira branca - os mineiros já haviam se retirado.

No Retiro, os mineiros “picotaram” a casa do Rogério Feliciano Godoy, o capataz da Fazenda. O Delegado era o Dr. Mathias Costa e Arthur Ramozzi, o escrivão.

Porque ajudei a tropa, recebi um salvo-conduto para circular livremente.

O Arthur, irmão de Belisário Alves Pereira, foi trazido à força pelos mineiros para mostrar-lhes onde era a casa do Rogério.

Como a Fazenda fica na divisa de Minas, é provável que tivessem alguma animosidade com ele. A chefia da Revolução Constitucionalista ficava onde atualmente há o Banespa, em Vila Abernéssia.

Durante a II Guerra Mundial, Enzo Trípoli era delegado de polícia e Paulo Camargo, escrivão. O pessoal “pintou o sete” na casa do Paulo Krause, por causa das coisas que os alemães diziam, quando acabou a guerra.

O Ministro Miguel de Godoy Moreira e Costa Sobrinho foi casado com Dona Isabel de Godoy; tiveram grande fastígio social e político em Vila Godoy, nos anos 20, em São Paulo, de onde saíram até Presidentes. Eram seus filhos, Beatriz de Godoy Moreira e Costa Ladeira, casada com Manoel Rodrigues Ladeira, Judith de Godoy, Embaixatriz lsabel de Moraes Barros, Paulo de Godoy Moreira e Costa, casado com Maria Ramos de Godoy, Marcelo de Godoy Moreira e Costa, Maria Bela de Godoy Kok, casada com André Jensen Kok e Maria Antonia de Godoy Martins Cruz.

OBS: Compilação de dados históricos constantes do livro “História de Campos do Jordão”, do advogado, jornalista e historiador Pedro Paulo Filho - Editora Santuário - 1986 - Diversas páginas.

 

 

 

Históricas - Fazenda do Retiro


Foto da bela sala e da mesa montada para o almoço comemorativo do casamento do meu tio Celso Antonio de Godoy com a tia Maria de Oliveira Lima, ocorrido no dia 25 de junho de 1955. Celso Antonio, um dos filhos de minha avó Minervina Pavan Godoy, em seu segundo casamento com Celso Feliciano de Godoy, mais conhecido como Pérsio. Celso Antonio, irmão de minha mãe Odete, também filha da avó Minervina, de seu primeiro casamento com Mário Pavan. Maria, filha do casal Sr. Alcides de Oliveira Lima e de D. Izaltina Leite de Oliveira Lima, administradores da lendária, tradicional e centenária “Fazenda do Retiro”, situada pouco adiante do nosso Horto Florestal ou, para os mais antigos, Fazenda da Guarda.

OBS: Esta foto foi gentilmente disponibilizada pela saudosa e querida amiga Malú Donato e sua filha Luciana Donato, respectivamente esposa e filha do saudoso Orestes Mário Donato, autor da fotografia.

Conheça um pouco da história da Fazenda do Retiro

As posses de Costa Manso ficavam ao lado direito do mesmo ribeirão, o qual, ao unir-se com o córrego das Perdizes, toma o nome de Rio Sapucaí-Guaçu, provavelmente, no lugar denominado Sítio Velho, posteriormente conhecido como o Retiro da Guarda.

Em 1854, Amador Rodrigues Jordão vendia o seu quinhão aos irmãos Comendador Antonio de Godoy Moreira e Alferes José de Godoy Moreira; Silvério Rodrigues Jordão, em 1855, vendia o seu quinhão aos Capitães Urbano Marcondes Machado e Domingos Marcondes Homem de Mello; em 1817, Manuel Rodrigues Jordão alienava a sua parte ao Banco do Brasil, e os herdeiros de Ana Eufrosina Jordão Ribeiro fracionaram o seu quinhão, através de diversas alienações. Os adquirentes das terras de Silvério Rodrigues Jordão retalharam a área em vários lotes e os irmãos Godoy Moreira constituíram as Fazendas da Guarda e do Retiro, onde construíram a sede e uma senzala.

O Brigadeiro faleceu antes de conhecer a Fazenda.

Feito o inventário do Brigadeiro, por sentença lavrada pelo juiz de órfãos da Comarca de São Paulo, em 22 de setembro de 1830, a Fazenda Natal abrangia todo o Município de Campos do Jordão e uma parte de Minas, sendo avaliada em 20 contos, tocando 5 contos a cada um dos herdeiros: Ana Eufrosina, Amador, Manoel e Silvério, filhos do Brigadeiro.

Por escritura de 29 de maio de 1855, Manoel Rodrigues de Lacerda Jordão e sua mulher, venderam o seu quinhão ao avô de Balthazar, Antonio de Godoy Moreira e Costa, e seu irmão, José de Godoy Moreira e Costa.

Os dois irmãos, co-proprietários, tomando posse das terras, convencionaram, amigavelmente, que a gleba de Antonio iria do atual ribeirão do Ferradura, onde havia o Potreiro das Éguas, até as vertentes do Galharada, pela margem direita do Sapucaí, e pela margem esquerda do mesmo rio, dos Correntinos à bacia do ribeirão do Paiol.

A José caberia o resto, que era maior parte, a bacia de todos os afluentes da margem direita do Sapucaí, a partir do Casquilho, incluindo o Charco, onde havia a casa. Não só o avô, mas também o pai de Balthazar, com um punhado de escravos, passaram a criar gado nas pastagens daquelas lombas. Não havia cercas: só a marca registrava a propriedade, o ferro candente e o corte nas orelhas.

O gado era tratado na Guarda, onde havia um retiro. Não havia lavoura, só criação de gado.

A Vila Capivari era chamada, naquele tempo, de “O Jordão” e os Campos eram a região toda, dobrando a serra.

A Guarda, para Antonio de Godoy Moreira e Costa ficava nos Campos, e não nos Campos do Jordão, e em Pinda, ninguém dizia: “Vou para os Campos do Jordão”, mas “Vou para os Campos”.

As trilhas foram se delineando, segundo as pegadas do gado para as querências, afora a estrada de Pinda, que, na realidade, era um carreiro para se trilhar a cavalo.

A estrada de Pinda descia até a Fazenda em reta. Outra trilha ia Sapucaí acima até a Casa Velha, e daí pelos vizos das lombas ao Potreiro das Éguas e ao Jordão, com uma derivação aos Correntinos e para a Água Santa e os campos do Serrano.

A outra, vadeando o Sapucaí, subia ao Capão dos Papagaios, ondulava pelos altos e ia até o Paiol.

Outra ainda, continuação da estrada de Pinda, subia a Galharada, cortava-o e galgando a lomba do Faxinal, atingia o Casquilho, e depois do Espraiado, do Serrote e da Serra Chorona, chegava-se, finalmente, ao Charco.

Eram os caminhos principais.

Antonio de Godoy Moreira e Costa e Antonio Amador Bueno de Godoy, avô e pai de Balthazar, não mantinham residência fixa na Guarda; passavam temporadas de dois meses, no máximo, afora as visitas curtas de vistorias, ficando o Retiro entregue a um capataz.

Os pretos que vieram a Campos, vinham da Fazenda Graminha, de Pinda. “No tempo do meu avó, até o meio do século, havia missas todos os meses e o oficiante era o Padre João de Godoy, meu tio-avô. Depois de 1920, houve horta na Guarda.

Diziam que o clima não permitia a horticultura. Bobagem. Os campeiros só se alimentavam de leite e carne.”

Em novembro de 1889, o Cel. Antonio Amador Bueno de Godoy estava na Guarda. Depois do dia 20, desceu, e só então, na serra, cruzando com um seu amigo, ficou sabendo que o Brasil já não era mais Império.

Ficou revoltado, e disse:

- “Cachorros! Não esperava isso do Deodoro. Caduquice, não pode ser de outro modo. Vão acabar com o Brasil!”

Nunca perdoou os republicanos.

Uma das primeiras pessoas que esteve na Guarda, excluindo as do círculo familiar, foi o Padre Pedro Nolasco César, vigário de São Bento, que muitas vezes, visitou a Fazenda. Também lá esteve o vigário de Pinda, o Padre Tobias, os Bueno de Pinda, da mesma família desse sacerdote (o coronel Benjamin, o Dr. Dino Bueno) sempre apareciam nos Campos.

Na Guarda não havia capela; só havia um oratório da família, tosco, que está no Rancho Sto. Antonio, de Oscar Ribeiro de Godoy.

Capela só houve depois de 1935, ou por aí, no tempo dos Kok.

Tornou-se costume gravar, à ponta de faca, o nome do visitante nas folhas das portas de entrada ou das janelas.

Tornou-se tradição. Quase todos da família inscreveram os seus nomes, Francisco de Godoy Moreira e Costa, formado pela Escola Politécnica de São Paulo, em 1899, Antonio de Godoy Moreira e Costa, bacharel em direito,em 1894.

Antonio de Godoy, poeta e delegado de polícia. Plínio de Godoy Moreira e Costa, mais tarde deputado estadual, federal e senador.

As inscrições eram manuscritas ou em letras de forma, individuais, ou em casais ou grupos: Sinhô, filho do Dr. Gustavo de Godoy, Juca, Sinhozinho e Armantina, filhos e nora de Nhá Minica, Dino Bueno, lente e diretor da Faculdade de Direito de São Paulo, Presidente interino do Estado, Cel. Virgilio Rodrigues Alves, Francisco de Paula Rodrigues Alves, “o maior dos presidentes do Brasil”.

“Conheci-o velhinho, conta Balthazar, com o seu redingote de gola de cetim e o pincenez, feio como uma múmia, mas ainda ereto e cheio de dignidade”.

Martiniano de Godoy e Marieta, Alberto Godoy que se inscreveu na Marinha, e tomou parte na Revolta de João Cândido, em 1910. “Foi excluído, mas não sofreu muito, graças a tio Elias, que era amigo do Marechal Hermes”.

João Thomaz Monteiro, tio e dentista prático.

Feliciano era capataz, a muito tempo, do Retiro, e seus filhos eram Rogério e Pérsio.

Feliciano era casado com Minervina, uma mulata alta, e tinha muitos filhos. O Dr. Miguel de Godoy e seu genro, o embaixador Pedro de Moraes Barros.


No canto de cima da porta, lia-se Luiz Pereira Barreto, médico insigne de São Paulo, por volta de 1908 ou 1909. Morava na rua Apa, perto da praça, onde está a sua estátua, em modesta casa de porta e duas janelas.

O Ministro Miguel de Godoy Moreira e Costa Sobrinho foi casado com Dona Isabel de Godoy; tiveram grande fastígio social e político em Vila Godoy, nos anos 20, em São Paulo, de onde saíram até Presidentes. Eram seus filhos, Beatriz de Godoy Moreira e Costa Ladeira, casada com Manoel Rodrigues Ladeira, Judith de Godoy, Embaixatriz lsabel de Moraes Barros, Paulo de Godoy Moreira e Costa, casado com Maria Ramos de Godoy, Marcelo de Godoy Moreira e Costa, Maria Bela de Godoy Kok, casada com André Jensen Kok e Maria Antonia de Godoy Martins Cruz.75

Os antigos acessos às Fazendas eram difíceis, pois de Pindamonhangaba, viajava-se, a pé, até o sopé da Serra, descansando-se na Fazenda Graminha, e só no dia seguinte, prosseguia-se no percurso, vindo-se pelo Ribeirão Grande, através da Mata Comprida, e descia-se pelas vertentes do rio Galharada até atingir as fazendas do Retiro e da Guarda.

A ligação com Campos do Jordão se fazia por uma trilha, através das lombadas, até atingir os Correntinos, onde já existia uma estrada.

Em 1923, depois da morte do Comendador Antonio de Godoy Moreira e Costa, sua viúva, desgostosa com o desfecho da ação de divisão judicial da Fazenda Natal, vendeu a Guarda para H. Kok, que ali montou uma serraria.

Por volta de 1934, era assustadora a devastação de pinheirais, em Campos do Jordão o que provocou grave revolta contra o funcionamento de criminosas serrarias, que atuavam, impunemente.

Depois de diversas denúncias formuladas à Secretaria da Agricultura, medidas oficiais foram adotadas pelo Secretário Adalberto Bueno Netto, o Chefe do Serviço Florestal, José Camargo Cabral, e pelo Diretor Geral da Secretaria, Eugênio Lefèvre.

A Chácara Abernéssia, que alguns chamavam de Fazenda, constituía uma das grandes propriedades, que formavam a Fazenda Natal, como a Fazenda do Banco do Estado, no atual bairro de Santa Cruz, a Fazenda do Salto, onde se iniciou o primeiro manancial e represa do mesmo nome, >B>a Fazenda Correntinos, atualmente Descansópolis, a Fazenda da Guarda, onde se acha o Parque Estadual de Campos do Jordão, a Fazenda do Retiro, a Fazenda do Baú, a Fazenda da Campista e a Fazenda Capivari, entre outras.

Vila Operária: Arlindo Félix da Silva e Augusto Barsalini. Eram fazendeiros no Município: H. Gesson Kok, da Fazenda da Guarda (madeira, gado vacum, cavalar, suíno); Plínio de Godoy, da Fazenda do Retiro (madeira, gado vacum); Bráulio Carneiro Santiago, das Fazendas do Baú, e dos Serranos (serraria); Eduardo Lagoa Ribeiro da Fazenda da Campista (serraria); Sebastião Antunes da Silva, da Fazenda Tabatinga (caolim, gado vacum); Cândido Rodrigues Salgado, da Fazenda do Baú (gado vacum e suíno); Manoel Pinto da Silva, da Fazenda do Piar (gado vacum, cavalar e suíno); Ignacio de Carvalho, da Fazenda do Baú (gado vacum); Carlos Leôncio Magalhães, da Fazenda da Lagoinha (madeiras); José Carlos de Macedo Soares, da Fazenda do Baú (madeiras); Isabella Wilson, da Fazenda Sta. Isabel (gado).

O Dr. Gustavo de Godoy por volta de 1896 freqüentou a Fazenda da Guarda, ficando hospedado no Retiro, onde receitava para o pessoal e fazia pequenas intervenções.

Contou a profª. Helena Terezinha Moyses da Silva que, a estrada que demanda a Fazenda da Guarda, partindo de Vila Capivari, foi aberta à braço, sob a supervisão de Belisário Alves Pereira, e a Guarda até a Fazenda do Retiro, por Rogério Godoy.

A estrada que liga a Lagoinha até o Parque Ferradura também foi aberta por Belisário Alves Pereira.

Atribui-se a Theodoro Mariano a abertura da estrada que interliga a Fazenda da Guarda à do Charco, em Minas Gerais, no fim da década dos anos 30.

Durante 30 anos, Belisário Alves Pereira trabalhou na Fazenda Lagoinha, implantada em 1920, por Carlos Leôncio de Magalhães.

A estrada que demanda a Fazenda da Guarda foi iniciada em 1919, a pedido do Senador Estadual, João Martins de Mello Jr., mais tarde estendida à Fazenda do Retiro, a pedido do Ministro Godoy.

Essa estrada alcança a Fazenda do Charco, já em território mineiro, podendo ligar-se à rodovia Lorena – Itajubá - Poços de Caldas, à altura de Bicas do Meio.

À vista da ligação turística de Campos do Jordão com o Circuito das Águas, parece que esse roteiro é mais recomendável que o trajeto Tabatinga-Pedra Mármore.

Mas qual, nada. Escurecia e amanhecia e eu nunca encontrei com ele, nunca resvalei com ele. Eu bebia pinga, muitas vezes, para voltar pra casa. Se eu encontrasse com ele, eu conversava... O dinheiro dele está enterrado debaixo de um pé de eucalipto, que existe no caminho do Homem Morto, justamente na curva que deriva para a estrada que vai pras fazendas Lagoinha, Guarda e Retiro. O povo diz que o dinheiro está enterrado debaixo de um pinheiro que nasceu junto com um pé de guamerim e que está na mata que fica entre os Guillain e o Souza Noschese. E que a morada do Jordão é aí.

Muita gente diz que já viu o Jordão sair dali, mas qual! O povo diz que o Jordão anda numa mula preta, mas eu nunca vi nem o rastro da mula. O Jordão morreu, mas não foi pro tacho, não. Não pôde ir pro céu porque Deus não quer ele lá, porque ele tem dinheiro enterrado. Mas não está por conta do demônio. Não. E o dinheiro é dinheiro que não derrete, não é cobre, nem chumbo, é ouro. Não apodrece também, é moeda”.

Sátiro de Godoy, domador, nascido na Fazenda Retiro. Na época da pesquisa era guarda da Fazenda Correntinos, com 68 anos: “Ouvi o Jordão falar este verso:

Na lomba do meio

Entremeio de três pinheiro,

Um caldeirão de dinheiro.

O Dr. Emílio Ribas freqüentava muito a Fazenda do Retiro. Quem assassinou o seu filho, Paulo Ribas, foi Moacir Barbosa, cuja esposa era cliente do médico.

O crime foi de fundo passional.

O caminho de Vila Capivari à Fazenda do Retiro, naquela época, era o seguinte: entrava-se pela rua Sebastião de Andrade, onde morava Simão Cirineu Saraiva, subia-se o Recanto Feliz, descia-se o Jardim do Embaixador até a Fazenda Lagoinha. Depois, seguia-se até Eugênio Gabus, subia-se outra vez até o Parque Sta. Helena, e ia sair no campo de futebol da Guarda; de lá entrava-se por um lugar chamado Gaiarada, subia-se, descia-se e chegava-se ao Retiro.

Depois de doar a casa para as Irmãs, J. C. de Macedo Soares foi morarem Vila Matilde (Rua João Sampaio, n° 49).

Em 1932, houve muita movimentação de tropas aqui, e também muitas trincheiras e soldados. Eles iam tomar leite na Fazenda Lagoinha, e Nhonhô Magalhães sempre lhes dava um boi. Uma patrulha ficou de guarda, a 6 km do Retiro. Os mineiros invadiram o Retiro e foi preciso chamar os soldados sediados na Fazenda da Guarda.

De Vila Abernéssia, partiu um caminhão em socorro. Quando chegou na Lagoinha, só havia o Belizário Alves Pereira porque todo o resto fugira para o mato.

Belisário e eu fomos guiando os paulistas até o Retiro, e quando chegamos ao destino, apareceu um soldado de bandeira branca - os mineiros já haviam se retirado.

No Retiro, os mineiros “picotaram” a casa do Rogério Feliciano Godoy, o capataz da Fazenda. O Delegado era o Dr. Mathias Costa e Arthur Ramozzi, o escrivão.

Porque ajudei a tropa, recebi um salvo-conduto para circular livremente.

O Arthur, irmão de Belisário Alves Pereira, foi trazido à força pelos mineiros para mostrar-lhes onde era a casa do Rogério.

Como a Fazenda fica na divisa de Minas, é provável que tivessem alguma animosidade com ele. A chefia da Revolução Constitucionalista ficava onde atualmente há o Banespa, em Vila Abernéssia.

Durante a II Guerra Mundial, Enzo Trípoli era delegado de polícia e Paulo Camargo, escrivão. O pessoal “pintou o sete” na casa do Paulo Krause, por causa das coisas que os alemães diziam, quando acabou a guerra.

O Ministro Miguel de Godoy Moreira e Costa Sobrinho foi casado com Dona Isabel de Godoy; tiveram grande fastígio social e político em Vila Godoy, nos anos 20, em São Paulo, de onde saíram até Presidentes. Eram seus filhos, Beatriz de Godoy Moreira e Costa Ladeira, casada com Manoel Rodrigues Ladeira, Judith de Godoy, Embaixatriz lsabel de Moraes Barros, Paulo de Godoy Moreira e Costa, casado com Maria Ramos de Godoy, Marcelo de Godoy Moreira e Costa, Maria Bela de Godoy Kok, casada com André Jensen Kok e Maria Antonia de Godoy Martins Cruz.

OBS: Compilação de dados históricos constantes do livro “História de Campos do Jordão”, do advogado, jornalista e historiador Pedro Paulo Filho - Editora Santuário - 1986 - Diversas páginas.

 

 

 

Históricas - Fazenda do Retiro


No dia 25 de junho de 1955, aconteceu o casamento do meu tio Celso Antonio de Godoy com a tia Maria de Oliveira Lima. Celso Antonio, um dos filhos de minha avó Minervina Pavan Godoy, em seu segundo casamento com Celso Feliciano de Godoy, mais conhecido como Pérsio. Celso Antonio, irmão de minha mãe Odete, também filha da avó Minervina, de seu primeiro casamento com Mário Pavan. Maria, filha do casal Sr. Alcides de Oliveira Lima e de D. Izaltina Leite de Oliveira Lima, administradores da lendária, tradicional e centenária “Fazenda do Retiro”, situada pouco adiante do nosso Horto Florestal ou, para os mais antigos, Fazenda da Guarda.

Na foto: Durante o magnífico almoço oferecido aos noivos, padrinhos e convidados pelo simpático casal Sr. Alcides de Oliveira Lima e D.Izaltina Leite de Oliveira Lima (pais da noiva), administradores da lendária, tradicional e centenária “Fazenda do Retiro”. Na cabeceira da mesa os recém casados Maria de Oliveira Lima e Celso Antonio de Godoy. À esquerda da mesa - uma senhora não identificada, eu Edmundo F. Rocha e meus saudosos pais Waldemar F. Rocha e Odete Pavan da Rocha. Do lado direito da mesa, infelizmente, três pessoas não identificadas.

OBS: Esta foto foi gentilmente disponibilizada pela saudosa e querida amiga Malú Donato e sua filha Luciana Donato, respectivamente esposa e filha do saudoso Orestes Mário Donato, autor da fotografia.

Conheça um pouco da história da Fazenda do Retiro

As posses de Costa Manso ficavam ao lado direito do mesmo ribeirão, o qual, ao unir-se com o córrego das Perdizes, toma o nome de Rio Sapucaí-Guaçu, provavelmente, no lugar denominado Sítio Velho, posteriormente conhecido como o Retiro da Guarda.

Em 1854, Amador Rodrigues Jordão vendia o seu quinhão aos irmãos Comendador Antonio de Godoy Moreira e Alferes José de Godoy Moreira; Silvério Rodrigues Jordão, em 1855, vendia o seu quinhão aos Capitães Urbano Marcondes Machado e Domingos Marcondes Homem de Mello; em 1817, Manuel Rodrigues Jordão alienava a sua parte ao Banco do Brasil, e os herdeiros de Ana Eufrosina Jordão Ribeiro fracionaram o seu quinhão, através de diversas alienações. Os adquirentes das terras de Silvério Rodrigues Jordão retalharam a área em vários lotes e os irmãos Godoy Moreira constituíram as Fazendas da Guarda e do Retiro, onde construíram a sede e uma senzala.

O Brigadeiro faleceu antes de conhecer a Fazenda.

Feito o inventário do Brigadeiro, por sentença lavrada pelo juiz de órfãos da Comarca de São Paulo, em 22 de setembro de 1830, a Fazenda Natal abrangia todo o Município de Campos do Jordão e uma parte de Minas, sendo avaliada em 20 contos, tocando 5 contos a cada um dos herdeiros: Ana Eufrosina, Amador, Manoel e Silvério, filhos do Brigadeiro.

Por escritura de 29 de maio de 1855, Manoel Rodrigues de Lacerda Jordão e sua mulher, venderam o seu quinhão ao avô de Balthazar, Antonio de Godoy Moreira e Costa, e seu irmão, José de Godoy Moreira e Costa.

Os dois irmãos, co-proprietários, tomando posse das terras, convencionaram, amigavelmente, que a gleba de Antonio iria do atual ribeirão do Ferradura, onde havia o Potreiro das Éguas, até as vertentes do Galharada, pela margem direita do Sapucaí, e pela margem esquerda do mesmo rio, dos Correntinos à bacia do ribeirão do Paiol.

A José caberia o resto, que era maior parte, a bacia de todos os afluentes da margem direita do Sapucaí, a partir do Casquilho, incluindo o Charco, onde havia a casa. Não só o avô, mas também o pai de Balthazar, com um punhado de escravos, passaram a criar gado nas pastagens daquelas lombas. Não havia cercas: só a marca registrava a propriedade, o ferro candente e o corte nas orelhas.

O gado era tratado na Guarda, onde havia um retiro. Não havia lavoura, só criação de gado.

A Vila Capivari era chamada, naquele tempo, de “O Jordão” e os Campos eram a região toda, dobrando a serra.

A Guarda, para Antonio de Godoy Moreira e Costa ficava nos Campos, e não nos Campos do Jordão, e em Pinda, ninguém dizia: “Vou para os Campos do Jordão”, mas “Vou para os Campos”.

As trilhas foram se delineando, segundo as pegadas do gado para as querências, afora a estrada de Pinda, que, na realidade, era um carreiro para se trilhar a cavalo.

A estrada de Pinda descia até a Fazenda em reta. Outra trilha ia Sapucaí acima até a Casa Velha, e daí pelos vizos das lombas ao Potreiro das Éguas e ao Jordão, com uma derivação aos Correntinos e para a Água Santa e os campos do Serrano.

A outra, vadeando o Sapucaí, subia ao Capão dos Papagaios, ondulava pelos altos e ia até o Paiol.

Outra ainda, continuação da estrada de Pinda, subia a Galharada, cortava-o e galgando a lomba do Faxinal, atingia o Casquilho, e depois do Espraiado, do Serrote e da Serra Chorona, chegava-se, finalmente, ao Charco.

Eram os caminhos principais.

Antonio de Godoy Moreira e Costa e Antonio Amador Bueno de Godoy, avô e pai de Balthazar, não mantinham residência fixa na Guarda; passavam temporadas de dois meses, no máximo, afora as visitas curtas de vistorias, ficando o Retiro entregue a um capataz.

Os pretos que vieram a Campos, vinham da Fazenda Graminha, de Pinda. “No tempo do meu avó, até o meio do século, havia missas todos os meses e o oficiante era o Padre João de Godoy, meu tio-avô. Depois de 1920, houve horta na Guarda.

Diziam que o clima não permitia a horticultura. Bobagem. Os campeiros só se alimentavam de leite e carne.”

Em novembro de 1889, o Cel. Antonio Amador Bueno de Godoy estava na Guarda. Depois do dia 20, desceu, e só então, na serra, cruzando com um seu amigo, ficou sabendo que o Brasil já não era mais Império.

Ficou revoltado, e disse:

- “Cachorros! Não esperava isso do Deodoro. Caduquice, não pode ser de outro modo. Vão acabar com o Brasil!”

Nunca perdoou os republicanos.

Uma das primeiras pessoas que esteve na Guarda, excluindo as do círculo familiar, foi o Padre Pedro Nolasco César, vigário de São Bento, que muitas vezes, visitou a Fazenda. Também lá esteve o vigário de Pinda, o Padre Tobias, os Bueno de Pinda, da mesma família desse sacerdote (o coronel Benjamin, o Dr. Dino Bueno) sempre apareciam nos Campos.

Na Guarda não havia capela; só havia um oratório da família, tosco, que está no Rancho Sto. Antonio, de Oscar Ribeiro de Godoy.

Capela só houve depois de 1935, ou por aí, no tempo dos Kok.

Tornou-se costume gravar, à ponta de faca, o nome do visitante nas folhas das portas de entrada ou das janelas.

Tornou-se tradição. Quase todos da família inscreveram os seus nomes, Francisco de Godoy Moreira e Costa, formado pela Escola Politécnica de São Paulo, em 1899, Antonio de Godoy Moreira e Costa, bacharel em direito,em 1894.

Antonio de Godoy, poeta e delegado de polícia. Plínio de Godoy Moreira e Costa, mais tarde deputado estadual, federal e senador.

As inscrições eram manuscritas ou em letras de forma, individuais, ou em casais ou grupos: Sinhô, filho do Dr. Gustavo de Godoy, Juca, Sinhozinho e Armantina, filhos e nora de Nhá Minica, Dino Bueno, lente e diretor da Faculdade de Direito de São Paulo, Presidente interino do Estado, Cel. Virgilio Rodrigues Alves, Francisco de Paula Rodrigues Alves, “o maior dos presidentes do Brasil”.

“Conheci-o velhinho, conta Balthazar, com o seu redingote de gola de cetim e o pincenez, feio como uma múmia, mas ainda ereto e cheio de dignidade”.

Martiniano de Godoy e Marieta, Alberto Godoy que se inscreveu na Marinha, e tomou parte na Revolta de João Cândido, em 1910. “Foi excluído, mas não sofreu muito, graças a tio Elias, que era amigo do Marechal Hermes”.

João Thomaz Monteiro, tio e dentista prático.

Feliciano era capataz, a muito tempo, do Retiro, e seus filhos eram Rogério e Pérsio.

Feliciano era casado com Minervina, uma mulata alta, e tinha muitos filhos. O Dr. Miguel de Godoy e seu genro, o embaixador Pedro de Moraes Barros.


No canto de cima da porta, lia-se Luiz Pereira Barreto, médico insigne de São Paulo, por volta de 1908 ou 1909. Morava na rua Apa, perto da praça, onde está a sua estátua, em modesta casa de porta e duas janelas.

O Ministro Miguel de Godoy Moreira e Costa Sobrinho foi casado com Dona Isabel de Godoy; tiveram grande fastígio social e político em Vila Godoy, nos anos 20, em São Paulo, de onde saíram até Presidentes. Eram seus filhos, Beatriz de Godoy Moreira e Costa Ladeira, casada com Manoel Rodrigues Ladeira, Judith de Godoy, Embaixatriz lsabel de Moraes Barros, Paulo de Godoy Moreira e Costa, casado com Maria Ramos de Godoy, Marcelo de Godoy Moreira e Costa, Maria Bela de Godoy Kok, casada com André Jensen Kok e Maria Antonia de Godoy Martins Cruz.75

Os antigos acessos às Fazendas eram difíceis, pois de Pindamonhangaba, viajava-se, a pé, até o sopé da Serra, descansando-se na Fazenda Graminha, e só no dia seguinte, prosseguia-se no percurso, vindo-se pelo Ribeirão Grande, através da Mata Comprida, e descia-se pelas vertentes do rio Galharada até atingir as fazendas do Retiro e da Guarda.

A ligação com Campos do Jordão se fazia por uma trilha, através das lombadas, até atingir os Correntinos, onde já existia uma estrada.

Em 1923, depois da morte do Comendador Antonio de Godoy Moreira e Costa, sua viúva, desgostosa com o desfecho da ação de divisão judicial da Fazenda Natal, vendeu a Guarda para H. Kok, que ali montou uma serraria.

Por volta de 1934, era assustadora a devastação de pinheirais, em Campos do Jordão o que provocou grave revolta contra o funcionamento de criminosas serrarias, que atuavam, impunemente.

Depois de diversas denúncias formuladas à Secretaria da Agricultura, medidas oficiais foram adotadas pelo Secretário Adalberto Bueno Netto, o Chefe do Serviço Florestal, José Camargo Cabral, e pelo Diretor Geral da Secretaria, Eugênio Lefèvre.

A Chácara Abernéssia, que alguns chamavam de Fazenda, constituía uma das grandes propriedades, que formavam a Fazenda Natal, como a Fazenda do Banco do Estado, no atual bairro de Santa Cruz, a Fazenda do Salto, onde se iniciou o primeiro manancial e represa do mesmo nome, >B>a Fazenda Correntinos, atualmente Descansópolis, a Fazenda da Guarda, onde se acha o Parque Estadual de Campos do Jordão, a Fazenda do Retiro, a Fazenda do Baú, a Fazenda da Campista e a Fazenda Capivari, entre outras.

Vila Operária: Arlindo Félix da Silva e Augusto Barsalini. Eram fazendeiros no Município: H. Gesson Kok, da Fazenda da Guarda (madeira, gado vacum, cavalar, suíno); Plínio de Godoy, da Fazenda do Retiro (madeira, gado vacum); Bráulio Carneiro Santiago, das Fazendas do Baú, e dos Serranos (serraria); Eduardo Lagoa Ribeiro da Fazenda da Campista (serraria); Sebastião Antunes da Silva, da Fazenda Tabatinga (caolim, gado vacum); Cândido Rodrigues Salgado, da Fazenda do Baú (gado vacum e suíno); Manoel Pinto da Silva, da Fazenda do Piar (gado vacum, cavalar e suíno); Ignacio de Carvalho, da Fazenda do Baú (gado vacum); Carlos Leôncio Magalhães, da Fazenda da Lagoinha (madeiras); José Carlos de Macedo Soares, da Fazenda do Baú (madeiras); Isabella Wilson, da Fazenda Sta. Isabel (gado).

O Dr. Gustavo de Godoy por volta de 1896 freqüentou a Fazenda da Guarda, ficando hospedado no Retiro, onde receitava para o pessoal e fazia pequenas intervenções.

Contou a profª. Helena Terezinha Moyses da Silva que, a estrada que demanda a Fazenda da Guarda, partindo de Vila Capivari, foi aberta à braço, sob a supervisão de Belisário Alves Pereira, e a Guarda até a Fazenda do Retiro, por Rogério Godoy.

A estrada que liga a Lagoinha até o Parque Ferradura também foi aberta por Belisário Alves Pereira.

Atribui-se a Theodoro Mariano a abertura da estrada que interliga a Fazenda da Guarda à do Charco, em Minas Gerais, no fim da década dos anos 30.

Durante 30 anos, Belisário Alves Pereira trabalhou na Fazenda Lagoinha, implantada em 1920, por Carlos Leôncio de Magalhães.

A estrada que demanda a Fazenda da Guarda foi iniciada em 1919, a pedido do Senador Estadual, João Martins de Mello Jr., mais tarde estendida à Fazenda do Retiro, a pedido do Ministro Godoy.

Essa estrada alcança a Fazenda do Charco, já em território mineiro, podendo ligar-se à rodovia Lorena – Itajubá - Poços de Caldas, à altura de Bicas do Meio.

À vista da ligação turística de Campos do Jordão com o Circuito das Águas, parece que esse roteiro é mais recomendável que o trajeto Tabatinga-Pedra Mármore.

Mas qual, nada. Escurecia e amanhecia e eu nunca encontrei com ele, nunca resvalei com ele. Eu bebia pinga, muitas vezes, para voltar pra casa. Se eu encontrasse com ele, eu conversava... O dinheiro dele está enterrado debaixo de um pé de eucalipto, que existe no caminho do Homem Morto, justamente na curva que deriva para a estrada que vai pras fazendas Lagoinha, Guarda e Retiro. O povo diz que o dinheiro está enterrado debaixo de um pinheiro que nasceu junto com um pé de guamerim e que está na mata que fica entre os Guillain e o Souza Noschese. E que a morada do Jordão é aí.

Muita gente diz que já viu o Jordão sair dali, mas qual! O povo diz que o Jordão anda numa mula preta, mas eu nunca vi nem o rastro da mula. O Jordão morreu, mas não foi pro tacho, não. Não pôde ir pro céu porque Deus não quer ele lá, porque ele tem dinheiro enterrado. Mas não está por conta do demônio. Não. E o dinheiro é dinheiro que não derrete, não é cobre, nem chumbo, é ouro. Não apodrece também, é moeda”.

Sátiro de Godoy, domador, nascido na Fazenda Retiro. Na época da pesquisa era guarda da Fazenda Correntinos, com 68 anos: “Ouvi o Jordão falar este verso:

Na lomba do meio

Entremeio de três pinheiro,

Um caldeirão de dinheiro.

O Dr. Emílio Ribas freqüentava muito a Fazenda do Retiro. Quem assassinou o seu filho, Paulo Ribas, foi Moacir Barbosa, cuja esposa era cliente do médico.

O crime foi de fundo passional.

O caminho de Vila Capivari à Fazenda do Retiro, naquela época, era o seguinte: entrava-se pela rua Sebastião de Andrade, onde morava Simão Cirineu Saraiva, subia-se o Recanto Feliz, descia-se o Jardim do Embaixador até a Fazenda Lagoinha. Depois, seguia-se até Eugênio Gabus, subia-se outra vez até o Parque Sta. Helena, e ia sair no campo de futebol da Guarda; de lá entrava-se por um lugar chamado Gaiarada, subia-se, descia-se e chegava-se ao Retiro.

Depois de doar a casa para as Irmãs, J. C. de Macedo Soares foi morarem Vila Matilde (Rua João Sampaio, n° 49).

Em 1932, houve muita movimentação de tropas aqui, e também muitas trincheiras e soldados. Eles iam tomar leite na Fazenda Lagoinha, e Nhonhô Magalhães sempre lhes dava um boi. Uma patrulha ficou de guarda, a 6 km do Retiro. Os mineiros invadiram o Retiro e foi preciso chamar os soldados sediados na Fazenda da Guarda.

De Vila Abernéssia, partiu um caminhão em socorro. Quando chegou na Lagoinha, só havia o Belizário Alves Pereira porque todo o resto fugira para o mato.

Belisário e eu fomos guiando os paulistas até o Retiro, e quando chegamos ao destino, apareceu um soldado de bandeira branca - os mineiros já haviam se retirado.

No Retiro, os mineiros “picotaram” a casa do Rogério Feliciano Godoy, o capataz da Fazenda. O Delegado era o Dr. Mathias Costa e Arthur Ramozzi, o escrivão.

Porque ajudei a tropa, recebi um salvo-conduto para circular livremente.

O Arthur, irmão de Belisário Alves Pereira, foi trazido à força pelos mineiros para mostrar-lhes onde era a casa do Rogério.

Como a Fazenda fica na divisa de Minas, é provável que tivessem alguma animosidade com ele. A chefia da Revolução Constitucionalista ficava onde atualmente há o Banespa, em Vila Abernéssia.

Durante a II Guerra Mundial, Enzo Trípoli era delegado de polícia e Paulo Camargo, escrivão. O pessoal “pintou o sete” na casa do Paulo Krause, por causa das coisas que os alemães diziam, quando acabou a guerra.

O Ministro Miguel de Godoy Moreira e Costa Sobrinho foi casado com Dona Isabel de Godoy; tiveram grande fastígio social e político em Vila Godoy, nos anos 20, em São Paulo, de onde saíram até Presidentes. Eram seus filhos, Beatriz de Godoy Moreira e Costa Ladeira, casada com Manoel Rodrigues Ladeira, Judith de Godoy, Embaixatriz lsabel de Moraes Barros, Paulo de Godoy Moreira e Costa, casado com Maria Ramos de Godoy, Marcelo de Godoy Moreira e Costa, Maria Bela de Godoy Kok, casada com André Jensen Kok e Maria Antonia de Godoy Martins Cruz.

OBS: Compilação de dados históricos constantes do livro “História de Campos do Jordão”, do advogado, jornalista e historiador Pedro Paulo Filho - Editora Santuário - 1986 - Diversas páginas.

 

 

Veja fotografias publicadas em outras semanas clicando aqui.

 

Voltar

 

- Campos do Jordão Cultura -